Ecoville – Maior rede de limpeza
Política Revelação surpreendente

O áudio e o porquê de Janot desejar matar Gilmar Mendes

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em entrevista concedida à revista “Veja”, o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, revelou o desejo de assassinar o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes.

“Eu ia dar um tiro e me suicidar”, afirmou Janot.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

O fato ocorreu no auge de Operação Lava Jato, em 2017.

Janot conta que foi até uma sessão do STF armado, convicto de que mataria Gilmar Mendes.

O ex-procurador encontrou o ministro em uma sala reservada e, conforme relato dele, viu que seria o momento ideal para executar seu plano. Porém, ele não conseguiu apertar o gatilho.

Mas o que levaria Janot a cometer tal loucura?

Naquela época, Mendes e Janot estava no limite de divergências, e isso já havia sido visto publicamente.

Enquanto Mendes chamava Janot de irresponsável e bêbado, o Janot acusada Mendes de perversão e dissimulação.

Mas o tom aumentou quando Janot solicitou ao STF o impedimento de Mendes de participar do processo do empresário Eike Batista. Segundo a Veja, a suspensão seria porque a esposa do ministro trabalhava no escritório contratado para defender Eike.

No pinga-fogo, vazou que o ex-procurador também não poderia atuar na Lava Jato pois a filha dele trabalhava em um escritório que defendia acusados na Operação.

Janot descobriu que Mendes teria vazado a informação, e decidiu que mataria o ministro.

Mendes a Janot: “Procure ajuda psiquiátrica”.

Também à revista “Veja”, o ministro do STF, Gilmar Mendes, reagiu a afirmação do ex-procurador Rodrigo Janot.

Para Mendes, a “tentação tresloucada” de Janot pode ter conduzido para ações penais indevidas.

“Se a divergência com um ministro do Supremo o expôs a tais tentações tresloucadas, imagino como conduziu ações penais de pessoas que ministros do Supremo não eram. Afinal, certamente não tem medo de assassinar reputações quem confessa a intenção de assassinar um membro da Corte Constitucional do País. Recomendo que procure ajuda psiquiátrica. Continuaremos a defender a Constituição e o devido processo legal”, afirmou Mendes à Revista Veja.

 

Com agências

TOPO