Política Migração de legenda?

“O PSD é um ótimo partido”, diz Zado ao admitir possibilidade de deixar o PDT

Prefeito de Santa Helena, Evandro Miguel Grade (Zado) (PDT): “Tivemos uma alteração na lei eleitoral e em 2020 não haverá coligação na proporcional. Isso é uma grande mudança e os partidos estão se movimentando no sentido de concentrar os candidatos a vereadores em um, dois ou três partidos do nosso grupo político” (Foto: Maria Cristina Kunzler/OP)

A mudança na lei eleitoral que proíbe a coligação para a formação da chapa de vereadores entra em vigor, pela primeira vez, em 2020. Tudo ainda é uma novidade, mas os partidos já começam a se articular e planejar como será a campanha ano que vem. A maior parte dos grupos avalia a possibilidade de fortalecer poucas siglas para formar a proporcional.

Em Santa Helena, a situação não deve ser diferente. Segundo o prefeito Evandro Miguel Grade (Zado) (PDT), a tendência será concentrar os futuros candidatos em dois a três partidos. E até pensando no cenário de 2020, ele revela que existe a possibilidade de migrar para outra agremiação, sendo que algumas alternativas passam pelo PSD, PL e PSL.

Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

Em entrevista ao Jornal O Presente, o gestor santa-helenense faz ainda uma avaliação de 2019 e cita algumas projeções de investimentos para o último ano de conduta. Confira.

 

O Presente (OP): Estamos quase chegando na reta final de 2019, que foi marcado pelas novas gestões nos governos estadual e federal. Como o senhor avalia o ano para o município de Santa Helena?

Evandro Grade (EG): A avaliação é extremamente positiva. Nós conseguimos avançar na prestação de serviços em vários setores. Na saúde e educação, por exemplo, realizamos concurso público e agora estamos convocando os candidatos aprovados, o que é uma reivindicação antiga tanto na classe dos professores como também na saúde. A medida vai organizar ainda mais esses dois setores. A prestação de serviços da limpeza da cidade e coleta de lixo conseguimos melhorar bastante. Em relação ao interior, implementamos alguns programas no setor do agronegócio que eram necessários, como para conservação de solo e a correção do solo, em que o município, além de fornecer calcário e cama aviária, também fez a distribuição. Tivemos uma grande eficiência na aplicação desse programa. Além da infraestrutura do interior, estamos terminando a execução de 58 quilômetros de asfalto de ótima qualidade e boa largura para oferecer maior segurança no trânsito. Estamos terminando 23 quilômetros de calçamento e está em processo licitatório outros 55 quilômetros, além de mais 82,5 quilômetros de asfalto que devem iniciar no final deste ano ou início de 2020. Ou seja, no setor rural conseguimos dar um grande avanço em 2019 e vão aumentar os investimentos para o ano de 2020.

 

OP: E para a cidade, quais são as ações planejadas?

EG: Estamos dando uma atenção para a cidade também visando ter o equilíbrio entre o setor rural e o setor urbano com programas para o nosso comércio. Estamos lançando o Compra Premiada, por meio do qual os consumidores que comprarem no comércio de Santa Helena participarão do sorteio de vários prêmios, inclusive veículos, motocicletas, eletrodomésticos, dentre outros. Nos dias 18, 19 e 20 (próxima semana) será realizada a abertura da temporada de verão no balneário com um grande número de atrações, como o show gratuito com a banda Skank. Além disso, vamos fazer a decoração natalina que certamente será a mais bonita da história do nosso município. Enfim, os eventos de final de ano vão continuar o trabalho que estamos fazendo de resgate do nosso balneário, de fazer com que as pessoas venham de fora para gastar aqui em nosso município e, com isso, fortalecer a economia local.

 

OP: Ano que vem será o seu último ano de gestão. Quais são os principais investimentos que a prefeitura planeja para o encerramento do seu mandato em 2020?

EG: Já licitamos projetos de habitação para a construção tanto de apartamentos como de casas populares, que com certeza iniciam em 2020. Já gostaríamos que isso tivesse começado, mas no setor público o processo é muito burocrático, demanda de projetos, de liberações em cartório, de infraestrutura e tudo já fizemos em 2019. Agora encaminhamos o processo licitatório de construção de apartamentos e de infraestrutura e casas populares. Então a habitação é um dos desafios para 2020. Outro foco é a revitalização de ruas e avenidas. Licitamos alguns projetos que já foram entregues e protocolados no DER (Departamento de Estradas de Rodagem), em Cascavel, para revitalizar a Rua Ângelo Catani na cidade, a avenida do distrito de Sub-Sede, a rua de São Clemente, a avenida em Moreninha e a ciclovia que vai de São Clemente até a localidade de Linha Santa Terezinha, no outro lado do município. Estamos aguardando a autorização do DER para fazer os processos licitatórios. Além disso, algumas ruas aqui na cidade estão sendo revitalizadas: a Rua Brasília, a Rua Minas Gerais e aguardamos a Copel fazer a alteração da rede de energia para continuar o processo licitatório de revitalização da Rua José Biesdorf, que é uma importante via no município, e a nossa Avenida Brasil, cuja obra foi aprovada em audiência pública e agora será feito o trâmite burocrático para que em 2020 possamos iniciá-la. Estes são anseios principalmente dos empresários.

 

OP: Um dos focos da sua gestão tem sido a geração de empregos. Como está o trâmite envolvendo a implantação do frigorífico da Friella em Santa Helena?

EG: Foi realizada uma reunião com o diretor da Friella, Egídio Valiati, e sua equipe técnica para tratarmos sobre o andamento dos trabalhos do frigorífico em Santa Helena. Recebemos a informação de que o Ministério da Agricultura solicitou algumas adequações ao projeto, sendo que a empresa já está fazendo isso. Portanto, a obra vai atrasar um pouco, mas acreditamos que no início de 2020 teremos a liberação do Ministério da Agricultura para, posteriormente, o município, juntamente com a Friella, fazer a terraplanagem para o começo da construção deste frigorífico que vai gerar muitos empregos.

 

OP: Estamos a um ano da eleição. Afinal, o senhor é pré-candidato à reeleição?

EG: O meu foco é melhorar sempre a prestação de serviços e implementar alguns programas que ainda são necessários no município. Com relação à política, já estamos nos bastidores conversando e pensando em organizar um grupo para disputar as eleições de 2020. Se serei candidato ou não, eu preciso fazer uma consulta aos partidos e às lideranças. Acredito que somente nas convenções do ano que vem que haverá a definição de quem vai ser candidato a prefeito, vice-prefeito e a vereadores. Tivemos uma alteração na lei eleitoral e em 2020 não haverá coligação na proporcional. Isso é uma grande mudança e os partidos estão se movimentando no sentido de concentrar os candidatos a vereadores em um, dois ou três partidos do nosso grupo político.

 

OP: Mas o senhor já colocou seu nome à disposição do grupo?

EG: Estamos conversando com bastante naturalidade. É preciso também respeitar se houver outras pessoas com vontade de colocar o nome à disposição. Estou preocupado com a administração municipal e montar um grupo para ganhar a eleição do ano que vem. Se os partidos entenderem que o meu nome é o indicado, eu acredito que vou aceitar. Porém, precisamos fazer isso com muita paciência e calma. Tenho certeza que, desta forma, vamos construir um grande grupo político.

 

OP: O grupo já definiu em quais partidos deve haver essa concentração de candidatos?

EG: Estamos fazendo um trabalho democrático e aberto com todos os partidos para, primeiro, saber a vontade das nossas lideranças, quais são os partidos ou qual é o partido mais interessante para concentrar os candidatos a vereadores.

 

OP: Neste cenário que se desenha em 2020, com o fim das coligações na proporcional e a concentração de candidatos em dois ou três partidos, o senhor permanece no PDT?

EG: Essa é uma dúvida que eu tenho. Estou ouvindo as lideranças para saber a vontade deles, se entendem que eu devo permanecer no PDT ou migrar de partido e fortalecer outra sigla.

 

OP: O senhor já tem definido qual pode ser esse partido?

EG: Eu vejo o PDT com bons olhos, mas também existe o PSD, que é o partido do governador Ratinho Junior. Ele tem grande credibilidade e, na minha opinião, vai fazer um grande governo, apesar de que, neste primeiro ano, ainda não conseguiu executar todos os projetos devido à burocracia, mas acredito no potencial e na capacidade do governador. Portanto, o PSD é um ótimo partido. Estamos conversando também com o deputado estadual Marcel Micheletto e o deputado federal Fernando Giacobo com a possibilidade de filiação no PL. Há, ainda, o PSL, que é um partido importante e com o qual já tivemos algumas conversas. Além destes, existem outros que não podemos descartar a possibilidade de filiação.

 

OP: De que forma estão ocorrendo as conversas para conseguir aglutinar os partidos que hoje compõem o atual governo de situação, no sentido de haver um entendimento e não ocorrer rupturas até a eleição do ano que vem?

EG: Estamos trabalhando de forma muito pacífica e harmoniosa. É preciso ouvir para montar um grupo político, ter habilidade para aglutinar e não dividir. Você ganha uma eleição somando e não dividindo e, dentro de um grupo político, temos pessoas com diversas opiniões e estamos procurando fazer um trabalho para unir todas as lideranças que estão hoje dando sustentação ao governo municipal. Acredito que continuando com esse grande grupo político conseguiremos ganhar a eleição no ano que vem. E eu preciso destacar outra questão, que é o clima harmonioso e de paz que existe hoje em Santa Helena. Estamos trabalhando em conjunto com os vereadores, entidades, enfim, e isso tem sido muito bom para o município.

 

O Presente

TOPO