Copagril
Variedades Fisiculturismo

Após transtornos alimentares, paranaense abandona competições e luta pela saúde

O antes e o depois de Sarita Federle (Foto: Divulgação)

Competindo desde 2011 e dona de diversos títulos, nacionais e internacionais – inclusive integrando o Top 10 Mundial Profissional Diva Fitness – Sarita Federle deixou de lado as competições de fisiculturismo em 2018 após sofrer com episódios de transtornos alimentares, resultado de uma cobrança pessoal pesada pela boa forma.

Desde então, a paranaense de 37 anos – que durante as competições chegava a ter apenas 5% de gordura no corpo – vem focando na boa aparência com saúde e incentiva mulheres em suas redes sociais a aceitar seu corpo, trabalhando apenas para conquistar a vida saudável e fugindo de ‘padrões de beleza’ cheios de cobrança. Ela também descobriu seu lado empreendedor e vem conquistando novos clientes.

Casa do Eletricista PISCINAS

“Minha última competição, em abril de 2018, foi a que apresentei melhor físico desde que comecei a competir. Mas, optei por parar, porque sofri muito no pós campeonato das últimas competições. Não me sentia bem psicologicamente e tive episódios de compulsão alimentar. Sempre prezei pela minha saúde e bem-estar. O esporte de alto nível requer de seus praticantes padrões corporais que, muitas vezes, podem ocasionar transtornos alimentares. Não é incomum. Mas essa situação me fez refletir até que ponto valeria a pena colocar minha saúde em risco. Aí eu abandonei”, relata Sarita Federle, que não se arrepende dos anos que passou competindo, época em que carrega muito aprendizado, principalmente com relação à disciplina em suas buscas.

“Persistência, dedicação, garra, força e principalmente o quão poderosa é a nossa mente e o quanto precisamos estar fortalecidos espiritualmente para atingir qualquer objetivo. Aprendi muito no mundo das competições”, entrega a ex-atleta, que completa: “Agora estou aprendendo que não precisamos ser tão exigentes com nossos corpos e que o valor de uma pessoa não está no formato do corpo. Eu tinha essa consciência com os outros, mas não com o meu próprio corpo. Precisamos educar para a positividade corporal, para o respeito e amor ao nosso corpo e ao das outras pessoas”.

 

BOA FORMA x SAÚDE
Ainda como aprendizado de seus transtornos alimentares e do tempo em que competia, Sarita Federle acredita que hoje em dia vende-se a ideia de que o que importa é o ‘corpo musculoso’ ou ‘magro’, muitas vezes não representando que a pessoa está realmente com saúde.

“Existe um padrão imposto pela indústria da beleza e nós fomos educados a acredita que existe esse corpo perfeito e vida perfeita, principalmente as mulheres, são muito cobradas a emagrecer a qualquer custo. Também sofri com isso, tive uma infância onde cresci vendo minha mãe sofrendo para perder peso”, conta a ex-atleta.

Ela desabafa e incentiva: “Sempre tive muita dificuldade de aceitar meu corpo, mesmo nunca chegando a estar muito acima do meu peso e, por mais magra e definida que eu tivesse, nunca achava que estava bom o suficiente. Estou aprendendo a me amar, a recusar padrões, a superar preconceitos internos e externos. Estou batalhando, há apenas um ano, para sair da perversa equação da beleza/magreza/felicidade/juventude. Quero fazer do meu próprio sofrimento uma bandeira de luta para as mulheres que se sentem aprisionadas nos seus próprios corpos”.

 

REDES SOCIAIS
Nas redes sociais, onde costuma agir com bastante transparência com seus seguidores – mostrando erros, medos e acertos – Sarita recebe muitas mensagens de mulheres que buscam motivação, não só apenas para conquistar uma boa forma saudável, mas também para melhorarem em todos os aspectos a sua autoestima.

“A maioria do meu público é feminino. Elas me pedem muita ajuda na questão da motivação. Sempre falo que o segredo está na mente, e que podemos sim conquistar tudo o que realmente queremos. Tenho percebido que todas nós sofremos pela busca da perfeição e com a frustração por não alcançarmos um objetivo inatingível. Depressão, obsessão, tristeza e luta. Falo para que mantenham a fé e assim não desistirão de suas lutas”, conta a influenciadora digital.

 

EMPREENDEDORA
Fora das competições, Sarita Federle é, além de incentivadora nas redes sociais, também uma mulher empreendedora, inspirada por tudo que aprendeu no esporte e também pelas veias familiares. Ela é proprietária de Allure Acessórios há 11 anos, uma empresa de acessórios – brincos, pulseiras, anéis e colares – que evidenciam a personalidade e a força da mulher.

E, quem pensa que o lado atleta não tem nada a ver com o empreendedor, está bem enganado.

“Podem pensar que há muita diferença de atleta para empresária de uma loja de acessórios, mas há também muitas semelhanças. Ser empresária tem tudo a ver com atingir metas, objetivos, ter visão e valores. Dedicação, persistência, força de vontade, disciplina motivação e paciência, são exatamente as características que um atleta e um empreendedor devem ter”, ressalta Sarita, que conta ainda: “Cursei 2 anos da faculdade de administração antes da loja, mas foi um curso sobre empreendedorismo que mudou minha vida e foi um professor de faculdade que me direcionou e abriu os meus olhos”.

 

Bem Paraná com assessoria

TOPO