Variedades Em quatro episódios

“Nada Ortodoxa”: conheça a história real que inspirou a minissérie da Netflix

(Foto: Divulgação/Netflix)

Inspirada em uma história real, a série “Nada Ortodoxa”, da Netflix, mostra um período marcante da vida da escritora Deborah Feldman que, nascida e criada em uma comunidade de judeus ortodoxos, decide abandonar o marido e se livrar da opressão dos costumes religiosos.

O seriado dramático conta com apenas quatro episódios e é baseado na autobiografia de Deborah, publicada em 2012. Mas apesar de ter como ponto de partida um fato real, boa parte da atração é pura ficção.

Casa do Eletricista – RETOMA

 

A HISTÓRIA REAL QUE INSPIROU A SÉRIE “NADA ORTODOXA”

Em “Nada Ortodoxa”, a personagem Esty é apresentada como uma jovem de Nova York que, aos 17 anos, entra em um casamento arranjado e, quando descobre que está grávida, decide fugir para Berlim, deixando para trás a família e o marido.

A maior parte das cenas de flashback mostradas na série é fiel ao livro e, portanto, à vida de Debora. As sequências dos momentos atuais da personagem em Berlim, por outro lado, são praticamente todas saídas das cabeças dos roteiristas.

Na vida real, Deborah realmente se casou jovem, foi infeliz no matrimônio, mas só preparou sua fuga depois do nascimento do filho, aos 23 anos. Ela ficou com o marido durante toda a gravidez e os dois criaram a criança juntos nos primeiros anos de sua vida.

Debora e o marido se mudam de apartamento e ela então é aceita em um programa de redação da Universidade Sarah Lawrence. As experiências da autora na faculdade são, em “Nada Ortodoxa”, refletidas no tempo em que Esty passa com os estudantes de música.

A separação de Deborah de seu marido e da sua comunidade não foi tão dramática quanto mostrada na série e ela não seguiu imediatamente para Berlim.

A escritora vendeu suas joias para arrumar dinheiro para a fuga, como visto no seriado, mas permaneceu um tempo escondida em Nova York, levando seu filho para a capital da Alemanha somente em 2014, depois de publicar seu segundo livro.

Quem acompanhou a história de Esty em “Nada Ortodoxa” pode ter ficado incomodado com os momentos de tensão liderados pelo personagem Moishe, que persegue a protagonista em Berlim e é retratado como uma espécie de vilão da trama.

A história real de Deborah, no entanto, não tinha um vilão. Moishe é, portanto, um personagem inventado pelos roteiristas para representar a opressão da comunidade ortodoxa.

 

Com assessoria

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

TOPO