Copagril
Esportes

Contra Ferrari pessimista, Raikkonen elogia e Mercedes vê ameaça por título

Dan Istitene/Getty Images

A Ferrari precisou de poucos dias em 2015 para mudar as perspectivas da próxima temporada da Fórmula 1. Antes, a equipe falava em evoluir após o fraco desempenho de 2014; agora, há quem fale até em disputar o título.

A empolgação é resultado dos bons resultados nos testes de pré-temporada em Jerez de la Frontera (Espanha). Nos dois primeiros dias da programação, Sebastian Vettel foi o mais rápido; no terceiro, Kimi Raikkonen ficou atrás apenas do brasileiro Felipe Nasr (Sauber).

Casa do Eletricista ESCAVAÇÕES

O finlandês afirma que o SF15T é “completamente diferente” de seu antecessor, o modelo F14T, utilizado no último ano. “O pacote todo é um tanto melhor do que o que terminamos o ano passado. Melhoramos em todas as áreas”, conta Kimi.

“Temos muitas coisas para fazer e melhorar, mas este é definitivamente um bom começo (…). Geralmente, você sabe se o carro é bom ou não. Este ano, é uma história completamente diferente em relação ao último ano. Tive uma impressão boa quando saí para a pista”, completou.

A avaliação de Kimi Raikkonen contrasta frontalmente com o discurso adotado pelo chefe de equipe, Maurizio Arrivabene, no lançamento do carro para a temporada 2015. Na ocasião, o dirigente se disse “realista”, e expôs uma meta discreta para o ano.

“Ninguém tem a mágica para mudar as coisas quando as coisas são imutáveis”, disse Arrivabene. “Não quero dizer que vamos vencer o Mundial, mas com certeza, temos o compromisso de vencer uma ou duas corridas”, acrescentou.

Agora, com poucos dias de testes, a Ferrari já é vista como uma potencial candidata a títulos em 2015. Pelo menos, entre as outras equipes.

“A Ferrari parece bem agora”, disse Daniel Ricciardo, piloto australiano da Red Bull. “Estamos de olho na concorrência especialmente na Ferrari, que tem aberto nossos olhos nos últimos dias”, concordou Nico Rosberg, piloto alemão da Mercedes.

Porém, a avaliação mais incisiva é a de Niki Lauda, presidente não-executivo da Mercedes na F1. “A Ferrari deve ser nossa principal rival em 2015”, disse o austríaco, à frente da equipe que conquistou os títulos entre pilotos e construtores em 2014.

 

TOPO