Copagril
Geral

Emater difunde prática de degustação de vinhos

Enófilos Célio Potrich e Nelson Kunzler, em atividade de avaliação de vinho: qualquer pessoa pode aprender a degustar (Foto: O Presente)

A partir da identifica ccedil; atilde;o de uma necessidade, bem como dando sequ ecirc;ncia a um projeto de incentivo agrave; vitivinicultura, a Emater promover aacute;, no pr oacute;ximo dia 02, em Marechal C acirc;ndido Rondon, o Curso de Inicia ccedil; atilde;o na Arte da Degusta ccedil; atilde;o de Vinhos.
De acordo com o respons aacute;vel pelo projeto de Fruticultura na regi atilde;o de Toledo, Celio Potrich, a oferta do curso ser aacute; uma forma de estimular o aprendizado de degusta ccedil; atilde;o de vinhos, tendo em vista ser pouco difundida na regi atilde;o.
O Instituto Paranaense de Assist ecirc;ncia T eacute;cnica e Extens atilde;o Rural (Emater) iniciou em 2002, em Quatro Pontes, um projeto de fruticultura com o plantio de uvas. Em parceria com o munic iacute;pio, tamb eacute;m foi viabilizada a constru ccedil; atilde;o de uma vin iacute;cola no munic iacute;pio, sendo que atualmente existem tr ecirc;s cantinas. ldquo;J aacute; no in iacute;cio do projeto tivemos a preocupa ccedil; atilde;o desde o plantio planejado, com assist ecirc;ncia t eacute;cnica, passando pela transforma ccedil; atilde;o da uva, at eacute; a comercializa ccedil; atilde;o rdquo;, relata. Em seguida, segundo Potrich, percebeu-se a necessidade, tanto de produtores como do p uacute;blico consumidor, de se conhecer mais sobre vinhos. ldquo;Por isso resolvemos oferecer esta oportunidade ao p uacute;blico em geral. O curso ser aacute; aberto a todos que t ecirc;m interesse em conhecer mais sobre vinho rdquo;, justifica.

Li ccedil; otilde;es
Durante o curso, os inscritos ter atilde;o a oportunidade de saber: como distinguir vinhos; como adquirir; forma de armazenagem; qual a forma adequada de abrir a garrafa; qual a ta ccedil;a adequada; como servir; qual a combina ccedil; atilde;o perfeita dos vinhos branco e tinto com diferentes pratos; qual a melhor ocasi atilde;o e a escolha do vinho; qual a temperatura ideal; e quais as habilidade de en oacute;logo, en oacute;filo e sommelier.
O curso ser aacute; ministrado pelos en oacute;filos Celio Potrich e Nelson Luiz Kunzler.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Pr aacute;tica
Segundo eles, na ocasi atilde;o, haver aacute; tanto conte uacute;do te oacute;rico como pr aacute;tico. ldquo;Haver aacute; degusta ccedil; atilde;o de cinco tipos de vinho (tinto e branco de mesa; tinto e branco fino; e espumante). Assim, os participantes poder atilde;o aprender a diferenciar os vinhos coloniais dos vinhos finos, desenvolvendo a habilidade de diferenciar suas caracter iacute;sticas rdquo;, explicam, acrescentando que, al eacute;m da forma de elabora ccedil; atilde;o, uma das principais diferen ccedil;as entre esses tipos de vinhos est aacute; no aroma: enquanto os vinhos comuns t ecirc;m cheiro da uva com a qual foi feito, os finos possuem outros aromas, tais como de chocolate, baunilha, frutas, flores, especiarias, entre outros.
Durante as li ccedil; otilde;es, os interessados tamb eacute;m saber atilde;o os motivos porque os vinhos brancos combinam mais com carnes brancas, enquanto os tintos devem acompanhar pratos agrave; base de carne vermelha.
Os participantes ir atilde;o desenvolver a habilidade de degustar vinhos a partir de tr ecirc;s fases: visual, olfativa e gustativa. ldquo;Qualquer pessoa tem a capacidade de aprender a diferenciar vinhos rdquo;, garantem.

Resultados
A observa ccedil; atilde;o dos profissionais eacute; feita a partir da observa ccedil; atilde;o de resultados de tr ecirc;s cursos j aacute; realizados na regi atilde;o, sendo dois em Palotina e um no munic iacute;pio de Toledo. ldquo;Muitas pessoas aprenderam a gostar de vinho a partir da participa ccedil; atilde;o no curso; e outros gostaram tanto que fizeram duas vezes rdquo;, asseguram Potrich e Kunzler.
Ap oacute;s o curso em Marechal Rondon, que ter aacute; por local a Associa ccedil; atilde;o dos T eacute;cnicos Agr iacute;colas, o objetivo eacute; promover pelo menos mais dois, em Toledo e em Cascavel.

Paradigmas
A promo ccedil; atilde;o de cursos na regi atilde;o, de acordo com os representantes da Emater, tem ainda o objetivo de ampliar a cultura e tradi ccedil; atilde;o de degusta ccedil; atilde;o de vinhos; mudar gradativamente a forma de se ver a bebida; a forma de consumo adequado, moderado e apreciativo; al eacute;m de desfazer cren ccedil;as equivocadas. Uma delas eacute; de que ldquo;vinho, quanto mais antigo, melhor rdquo;. ldquo;Para a maioria dos vinhos a informa ccedil; atilde;o n atilde;o eacute; verdadeira rdquo;, ressaltam. Isto porque, segundo eles, a maior parte deles come ccedil;a a perder qualidade ap oacute;s dois anos do momento em que est aacute; pronto. Eacute; o caso dos vinhos branco, espumante, de mesa e de alguns vinhos finos. ldquo;A frase s oacute; cabe para o caso de alguns tipos finos que t ecirc;m componentes que suportam o envelhecimento, como eacute; o caso dos vinhos de guarda rdquo;, informam.

Consumo
Os treinamentos ainda t ecirc;m o prop oacute;sito de mudar a postura de moradores da regi atilde;o em rela ccedil; atilde;o ao consumo de vinhos. ldquo;O vinho n atilde;o eacute; elaborado para ser bebido, mas sim para ser degustado, o que eacute; diferente. Foi difundida a ideia err ocirc;nea de que somente alguns privilegiados podem ter acesso a essa pr aacute;tica, quando na verdade qualquer indiv iacute;duo pode aprender rdquo;, declara Potrich.
Ele lembra que muitas pessoas tecem compara ccedil; otilde;es incab iacute;veis entre vinhos de mesa e vinhos finos. ldquo;N atilde;o h aacute; como compar aacute;-los. Por isso eacute; necess aacute;rio difundir as diferen ccedil;as entre eles, para mudar essa cultura rdquo;, declara.
Outra postura tradicional de moradores da regi atilde;o eacute; somente optar pela bebida na eacute;poca do inverno. ldquo;O vinho pode ser degustado em qualquer eacute;poca do ano, desde que se saiba escolher um vinho adequado para o ver atilde;o, por exemplo rdquo;, diz Kunzler.
Os promotores do curso acreditam que a amplia ccedil; atilde;o do conhecimento sobre vinhos poder aacute; influenciar no aumento da m eacute;dia de consumo. ldquo;Enquanto em outros pa iacute;ses como na Argentina se consome em torno de 50 litros per capta/ano, no Brasil a m eacute;dia eacute; de 1,9 litro rdquo;, comparam.
O consumo m eacute;dio de vinho no mundo atualmente est aacute; est aacute;vel.

Produ ccedil; atilde;o
Segundo Potrich, na regi atilde;o de Toledo existem 150 produtores de vinho colonial, enquanto somente seis produzem vinhos finos. Nos 14 munic iacute;pios onde h aacute; produ ccedil; atilde;o da bebida s atilde;o feitos em m eacute;dia 350 mil litros de vinho por ano. ldquo;Cerca de 80% do vinho produzido na regi atilde;o eacute; o de mesa rdquo;, exp otilde;e.
Apesar do incentivo agrave; aprecia ccedil; atilde;o de vinhos direcionar para o consumo de tipos finos, o profissional da Emater salienta que haver aacute; interfer ecirc;ncia no mercado de vinho comum.

Baile do vinho
Dentro da proposta de divulga ccedil; atilde;o do vinho produzido no munic iacute;pio de Quatro Pontes, as vin iacute;colas da Apuvitis, Boufleur e Borchert promover atilde;o, no dia 10 de julho, o 3 ordm; Baile do Vinho de Quatro Pontes. A promo ccedil; atilde;o ser aacute; realizada no Clube Cultural e a venda de mesas inicia na pr oacute;xima segunda-feira (14), ao valor de R$ 100, com quatro cadeiras, buffet de salgados e doces (livre a noite toda) e direito a levar para casa quatro ta ccedil;as de vinho. Convites poder atilde;o ser encontrados nas cantinas, no Posto Camilo e no Super Kr uuml;ger. A anima ccedil; atilde;o estar aacute; a cargo da Banda Vitrine. O evento conta com apoio da prefeitura. Mais informa ccedil; otilde;es sobre o curso ou o baile podem ser obtidas pelo telefone (45) 3279-1190.

TOPO