Geral

Populares protestam contra construção na praça

Com o objetivo de manifestar-se contra a constru ccedil; atilde;o da Cl iacute;nica da Mulher e da Crian ccedil;a na aacute;rea da Pra ccedil;a Willy Barth, em Marechal C acirc;ndido Rondon, em torno de 80 a 100 pessoas se reuniram no in iacute;cio da noite de ontem (05) em frente ao local.
O movimento intitulado ldquo;Cl iacute;nica sim, na Pra ccedil;a n atilde;o rdquo; foi liderado pelo humorista Cleiton Kurtz (Wilmutt), e teve ades atilde;o de pol iacute;ticos, comerciantes, professores, profissionais liberais e estudantes, entre outros.
Os manifestantes ouviram a leitura de uma carta aberta sobre a mobiliza ccedil; atilde;o, constando as justificativas para a mesma, ressaltando seu cunho apol iacute;tico e o seu objetivo. Em seguida, foram cantados os hinos nacional e do munic iacute;pio. Na sequ ecirc;ncia, os presentes deram as m atilde;os, formando uma corrente de aproximadamente 100 metros de dist acirc;ncia. De m atilde;os dadas, eles caminharam no entorno da pra ccedil;a, cercando, ao final, a aacute;rea onde est atilde;o os tapumes da constru ccedil; atilde;o da cl iacute;nica, encerrando o manifesto.
Durante o encontro, foi iniciada a coleta de assinaturas para um abaixo-assinado contra a obra no referido logradouro p uacute;blico.

Avalia ccedil; atilde;o
Na avalia ccedil; atilde;o do organizador do evento, Cleiton Kurtz, o evento atingiu seu objetivo, que era reunir pessoas da sociedade em geral para posicionar-se contra a obra na pra ccedil;a. ldquo;O evento foi bom, pois assim algumas pessoas puderam mostrar a sua opini atilde;o sobre isso e pedir que as autoridades se sensibilizem quanto agrave; opini atilde;o p uacute;blica. N atilde;o somos contra a cl iacute;nica, somente queremos que mudem o local para a sua constru ccedil; atilde;o rdquo;, enfatiza.
De acordo com o l iacute;der, quanto ao n uacute;mero de participantes ter ficado abaixo do esperado, j aacute; que a inten ccedil; atilde;o era cercar toda a aacute;rea da pra ccedil;a de pessoas, ele enfatiza que muitas pessoas tinham outros afazeres. ldquo;Sei de muitos que gostariam de participar n atilde;o puderam vir por terem aula, trabalho, reuni atilde;o ou outros compromissos familiares. Mas para quem tem d uacute;vida sobre a opini atilde;o da maioria, basta conversar com a popula ccedil; atilde;o para constatar que as pessoas s atilde;o contra o local escolhido para a obra rdquo;, finaliza.

Casa do Eletricista – RETOMA

Opini otilde;es
Populares presentes ao evento, ontem, teceram opini atilde;o a respeito do motivo porque s atilde;o contra a constru ccedil; atilde;o da obra no local. Orlando Miguel Sturm, 70 anos, comerciante, lembra que a aacute;rea da pra ccedil;a foi doada para o munic iacute;pio ainda antes dele ser constitu iacute;do, quando ainda era o distrito de General Rondon. ldquo;O objetivo da doa ccedil; atilde;o da aacute;rea era para que fosse um local para aacute;rvores, flores, uma pra ccedil;a efetivamente, um local para conv iacute;vio social. Por isso, ela deve ser mantida como pra ccedil;a. Se para cada habitante s atilde;o necess aacute;rios 12 metros quadrados de aacute;rea verde, a Pra ccedil;a Willy Barth j aacute; contribui com um metro quadrado. Se houver mais uma constru ccedil; atilde;o nesse local, logo n atilde;o vamos mais ter pra ccedil;a rdquo;, lamenta.

Familiar
Presente com a esposa e a filha no movimento de ontem, Harold Batschke, contabilista, tamb eacute;m posicionou-se contr aacute;rio agrave; constru ccedil; atilde;o. ldquo;Entendemos que a pra ccedil;a n atilde;o eacute; um local apropriado para a obra. Ela eacute; um espa ccedil;o que deve ser utilizado para lazer e se n atilde;o est aacute; sendo totalmente usado cabe fazer uma remodela ccedil; atilde;o. Al eacute;m do mais, acredito que existem outras alternativas para a cl iacute;nica. N atilde;o aceitamos a ideia da constru ccedil; atilde;o aqui rdquo;, salienta, revelando que a filha costuma usufruir dos espa ccedil;os, motivo pelo qual valoriza ainda mais a pra ccedil;a.

Hist oacute;rica
O estudante rondonense Nathan Graebin, que ajudou a empunhar a faixa da campanha, ressaltou que o principal motivo que o levou a participar do protesto foi a relev acirc;ncia hist oacute;rica do logradouro p uacute;blico. ldquo;Foi a primeira pra ccedil;a criada no munic iacute;pio, por isso para n oacute;s ela eacute; um patrim ocirc;nio hist oacute;rico que deve ser preservado e n atilde;o destru iacute;do. Por isso acho errado construir a cl iacute;nica nesse local. Al eacute;m disso, eacute; uma quest atilde;o ambiental rdquo;, exp otilde;e.

Ambiental
O in iacute;cio da constru ccedil; atilde;o na pra ccedil;a causou inconformidade agrave; contabilista Alice Drecksler, que participou da manifesta ccedil; atilde;o. ldquo;Em um momento em que no mundo todo se pregoa a preserva ccedil; atilde;o ambiental, querem diminuir a aacute;rea verde existente no centro da cidade… Estou indignada! V atilde;o ser retiradas quatro aacute;rvores pequenas e duas grandes, mas n atilde;o eacute; somente isso. Eacute; uma quest atilde;o de prote ccedil; atilde;o da aacute;rea verde rdquo;, conclui.

Op ccedil; otilde;es
A agropecuarista Gabriela Sturm tamb eacute;m eacute; contr aacute;ria agrave; decis atilde;o. ldquo;Entendo que h aacute; outros lugares para construir uma cl iacute;nica. A pra ccedil;a eacute; um local para ser preservado e n atilde;o para ter constru ccedil; otilde;es. At eacute; mesmo a Casa do Artes atilde;o acredito que deveria ser realocada para o portal, enquanto na pra ccedil;a deveria haver uma biblioteca, um local para as crian ccedil;as terem jogos, xadrez, enfim, entretenimento, j aacute; que eacute; espa ccedil;o. O local escolhido para a cl iacute;nica tamb eacute;m n atilde;o vai ter estacionamento suficiente. Sou a favor da cl iacute;nica, mas n atilde;o neste local rdquo;, acentua.

lt;galeria / gt;

TOPO