Copagril
Geral

Preço do Viagra deve ter redução de até 50%

Médico urologista Fábio Scarpa e Silva: O Viagra revolucionou o tratamento (de impotência). Em casos em que há indicação, é o tratamento mais fácil e com os melhores resultados (Foto: Maria Cristina Kunzler)

No pr oacute;ximo dia 20, a Pfizer, ind uacute;stria do ramo farmac ecirc;utico, perder aacute; a patente do Viagra. Com isso, o medicamento utilizado para tratar a disfun ccedil; atilde;o er eacute;til (impot ecirc;ncia sexual) poder aacute; ser produzido em sua vers atilde;o gen eacute;rica, o que garantir aacute; um pre ccedil;o mais acess iacute;vel ao rem eacute;dio.
Em uma r aacute;pida pesquisa realizada por O Presente, ontem (10), a reportagem fez um levantamento m eacute;dio do pre ccedil;o do Viagra. Uma caixa com dois comprimidos de 50 mg custa R$ 60; quatro comprimidos de 25 mg R$ 112; oito comprimidos de 50 mg R$ 246; e quatro comprimidos de 100 mg R$ 193. Para n atilde;o perder espa ccedil;o no mercado, a Pfizer j aacute; anunciou uma redu ccedil; atilde;o de 50% no valor do produto.
O alto custo do rem eacute;dio tem feito com que os pacientes que realmente precisem da medica ccedil; atilde;o deixem de tom aacute;-la. Neste aspecto, a quebra da patente ser aacute; bastante ben eacute;fica. A avalia ccedil; atilde;o eacute; do m eacute;dico urologista F aacute;bio Scarpa da Silva, que integra a Sociedade Brasileira de Urologia e a Associa ccedil; atilde;o Americana de Urologia. ldquo;Temos pacientes que t ecirc;m a indica ccedil; atilde;o e necessidade de tomar o Viagra, mas n atilde;o t ecirc;m acesso ao tratamento pelo alto custo rdquo;, salienta.
O m eacute;dico relembra que o rem eacute;dio foi sintetizado em 1996 e dois anos depois come ccedil;ou a ser vendido nos Estados Unidos. ldquo;O Viagra mudou completamente o tratamento de disfun ccedil; atilde;o er eacute;til. Antigamente n atilde;o havia nenhum rem eacute;dio por via oral que funcionava t atilde;o bem e proporcionava resultados t atilde;o bons rdquo;, comenta, acrescentando: ldquo;Realmente revolucionou o tratamento nestes uacute;ltimos 12 anos. Em casos em que h aacute; indica ccedil; atilde;o, eacute; o tratamento mais f aacute;cil e com os melhores resultados rdquo;, enfatiza.

Diagn oacute;stico
Como o Viagra eacute; um tratamento, para fazer uso do medicamento eacute; preciso antes de tudo um diagn oacute;stico m eacute;dico, de prefer ecirc;ncia por um urologista. Scarpa explica que a impot ecirc;ncia eacute; apenas um sintoma, a partir do qual o paciente n atilde;o consegue manter rela ccedil; atilde;o sexual. ldquo;O m eacute;dico precisa saber por qual motivo o paciente est aacute; com impot ecirc;ncia para poder indicar o melhor tratamento. E isso s oacute; o m eacute;dico saber aacute; fazer rdquo;, sintetiza.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Uso indiscriminado
Se por um lado a quebra de patente pode tornar o rem eacute;dio mais acess iacute;vel para quem realmente precisa, por outro lado isso causa uma preocupa ccedil; atilde;o ao m eacute;dico rondonense, pois com pre ccedil;os mais baixos pode ocorrer o uso indiscriminado do medicamento. ldquo;Todo rem eacute;dio com tarja vermelha teoricamente s oacute; pode ser vendido com prescri ccedil; atilde;o m eacute;dica, mas sabemos que na pr aacute;tica isso n atilde;o acontece. No Brasil, a fiscaliza ccedil; atilde;o n atilde;o eacute; muito eficaz neste sentido. As pessoas t ecirc;m acesso a rem eacute;dios que n atilde;o deveriam ter sem receita. O que tememos com a quebra de patente eacute; que haver aacute; mais oferta do medicamento, com pre ccedil;os mais baixos e vai facilitar o uso indiscriminado rdquo;, declara.

Jovens saud aacute;veis
Tem sido cada vez mais comum jovens saud aacute;veis, e que n atilde;o precisariam, tomarem Viagra para mostrar maior virilidade durante as rela ccedil; otilde;es sexuais. O uso desnecess aacute;rio do medicamento eacute; chamado pelos m eacute;dicos de ldquo;uso recreativo rdquo;.
De acordo com Scarpa, este uso n atilde;o eacute; indicado porque, como trata-se de um rem eacute;dio, ele pode causar efeitos colaterais. ldquo;O Viagra funciona em um mecanismo de libera ccedil; atilde;o de oacute;xido n iacute;trico, que provoca uma dilata ccedil; atilde;o das art eacute;rias que levam sangue ao p ecirc;nis. Com um fluxo de sangue maior, o homem consegue uma ere ccedil; atilde;o mais forte, r iacute;gida e at eacute; mais prolongada. Quando estava sendo criado, o medicamento era para ser uma droga para baixar a press atilde;o arterial e para problemas de falta de circula ccedil; atilde;o de sangue para o cora ccedil; atilde;o. O efeito dele para isso foi baixo, mas os pesquisadores viram que um dos efeitos colaterais eacute; que a pessoa tinha ere ccedil; atilde;o. Transformaram o efeito colateral do Viagra no rem eacute;dio em si. Ent atilde;o, o uso pode causar queda na press atilde;o arterial, dor de cabe ccedil;a, rubor facial, enfim, a pessoa est aacute; tomando uma medica ccedil; atilde;o sem ter a necessidade e estar aacute; exposto a efeitos colaterais rdquo;, detalha o urologista.
nbsp;Depend ecirc;ncia
Questionado se o uso indiscriminado do Viagra pode causar depend ecirc;ncia, especialmente em jovens que n atilde;o precisam da medica ccedil; atilde;o, Scarpa afirma que n atilde;o. Ele menciona que a uacute;nica depend ecirc;ncia que pode surgir eacute; a psicol oacute;gica. ldquo;O que pode acontecer eacute; o homem usar recreativamente o medicamento e achar que n atilde;o consegue mais ter rela ccedil; atilde;o sexual sem o Viagra e se n atilde;o tomar o rem eacute;dio vai falhar rdquo;, comenta.

Grupo de risco
Assim como em outros medicamentos, o Viagra tamb eacute;m tem contraindica ccedil; atilde;o para algumas pessoas que integram grupos de risco. O principal deles eacute; que o rem eacute;dio n atilde;o pode ser ingerido por paciente que j aacute; toma medica ccedil; atilde;o que tenha nitrato em sua composi ccedil; atilde;o. O nitrato ajuda na circula ccedil; atilde;o de sangue para o cora ccedil; atilde;o. Ao misturar com o rem eacute;dio para disfun ccedil; atilde;o er eacute;til, isso pode provocar s eacute;rios problemas cardiovasculares.
ldquo;A atividade sexual eacute; algo que despende de energia e esfor ccedil;o f iacute;sico. Por isso, um paciente que h aacute; 20 anos, por exemplo, n atilde;o mant eacute;m rela ccedil; atilde;o sexual e tem problema de cora ccedil; atilde;o, ao tomar o Viagra pode se sentir mal, pois n atilde;o est aacute; acostumado ao esfor ccedil;o intenso. Tem paciente que pode at eacute; ter enfarto. Os casos divulgados de morte ap oacute;s o uso de Viagra ou eacute; porque o paciente tomou o medicamento e n atilde;o podia, ou porque n atilde;o tinha condi ccedil; atilde;o f iacute;sica de fazer esfor ccedil;o como a rela ccedil; atilde;o sexual exige rdquo;, enfatiza Scarpa.

ldquo;Viagra paraguaio rdquo;
Como o Brasil faz fronteira com o Paraguai, est aacute; cada vez mais frequente o contrabando de ldquo;Viagra paraguaio rdquo;. Mas o m eacute;dico rondonense faz um alerta: ldquo;O princ iacute;pio ativo do Viagra eacute; o sildenafil (Estados Unidos) ou sildenafila (Brasil). Alguns laborat oacute;rios do Paraguai sintetizam o sildenafil, s oacute; que n atilde;o existe certeza da proced ecirc;ncia da medica ccedil; atilde;o. No Brasil sabemos como funcionam as pol iacute;ticas de regula ccedil; atilde;o e produ ccedil; atilde;o de medicamento, e h aacute; um certo controle nisso. Mas com rela ccedil; atilde;o ao lsquo;Viagra do Paraguai rsquo;, existem diferentes marcas e n atilde;o sabemos como eacute; produzido, se existe controle de qualidade, se as informa ccedil; otilde;es que constam na embalagem s atilde;o realmente verdadeiras. N atilde;o sabemos se o comprimido de 50 mg possui de fato esta quantidade rdquo;, conclui.

TOPO