Ecoville – Maior rede de limpeza
Copagril
Geral

Sociedade se mobiliza para cobrar contorno viário

A partir de uma iniciativa do Legislativo Municipal, a sociedade de Gua iacute;ra se reuniu ontem (29), no plen aacute;rio da C acirc;mara, com o engenheiro S eacute;rgio Ferrari e o gerente t eacute;cnico do DER em Maring aacute;, Heitor Dutra da Silva Filho, que vieram explanar sobre o projeto do contorno vi aacute;rio e recupera ccedil; atilde;o da ilumina ccedil; atilde;o da Ponte Ayrton Senna. O encontro tamb eacute;m contou com a participa ccedil; atilde;o de representantes do Executivo e da Associa ccedil; atilde;o Comercial (Aciag).
Heitor Dutra, respons aacute;vel pela elabora ccedil; atilde;o do projeto, afirmou que a proposta inicial era construir 3,5 quil ocirc;metros de rodovia, que interligaria a BR 272 at eacute; a cabeceira da Ponte Ayrton Senna, desviando do centro da cidade todo o tr aacute;fego pesado de ve iacute;culos que passam diariamente em dire ccedil; atilde;o ao Mato Grosso do Sul e Paraguai.
Segundo Dutra, o custo seria de R$ 7,8 milh otilde;es. A obra chegou a constar nos planos do Governo do Estado, inclusive foi objeto de concorr ecirc;ncia, mas a licita ccedil; atilde;o foi indeferida em 19 de novembro de 2008. Informa ccedil; otilde;es colhidas junto ao DER explicam que o Governo do Estado desistiu do contorno devido ao seu alto custo. ldquo;N atilde;o eacute; que ele seja um projeto caro, eacute; que ele possui algumas particularidades, tais como a remo ccedil; atilde;o do banhado e reposi ccedil; atilde;o com areia, constru ccedil; atilde;o de drenos, viadutos, rotat oacute;rias e uma grande dist acirc;ncia da pedreira comercial que deixaria a obra com um pre ccedil;o elevado rdquo;, justificou Heitor Dutra.
O contorno vi aacute;rio de Gua iacute;ra chegou a ser cogitado em 2004, mas uma frente apoiada pela Associa ccedil; atilde;o Comercial na eacute;poca fez oposi ccedil; atilde;o ao projeto, j aacute; que muitos comerciantes estabelecidos agrave; beira da rodovia eram contr aacute;rios e alegavam que a obra traria preju iacute;zo. Atualmente, com o grande fluxo de turistas que se deslocam ao Paraguai, principalmente nos finais de semana e feriado, mudou o pensamento de grande parte da popula ccedil; atilde;o guairense, que enfrenta um transtorno muito grande com as filas que se formam nas ruas Osvaldo Cruz e Almirante Tamandar eacute;, vias de acesso agrave; Ponte Ayrton Senna.

Discuss atilde;o
Nei Jos eacute; Neotte, vice-presidente da Associa ccedil; atilde;o Comercial, ressaltou durante a reuni atilde;o que a classe empresarial quer discutir o assunto. ldquo;A obra eacute; de suma import acirc;ncia para o desenvolvimento de Gua iacute;ra, mas precisamos analisar o impacto econ ocirc;mico que trar aacute; principalmente para os comerciantes que est atilde;o instalados agrave; beira da rodovia rdquo;, destacou Neotte.
Se for constru iacute;do, o contorno de Gua iacute;ra passar aacute; por dentro da Vila Jeanete, uma comunidade com aproximadamente 50 fam iacute;lias.
A quest atilde;o social foi lembrada por Valter Blaun, servidor de carreira do munic iacute;pio que representou o prefeito Manoel Kuba na reuni atilde;o. ldquo; Eacute; p uacute;blico e not oacute;rio que o acesso eacute; inevit aacute;vel, mas temos que verificar a quest atilde;o das fam iacute;lias que ser atilde;o desalojadas para a constru ccedil; atilde;o da obra. Temos que garantir que elas recebam as suas indeniza ccedil; otilde;es de forma correta rdquo;, lembrou.
Valter ainda chamou a aten ccedil; atilde;o para a necessidade de se pensar na interliga ccedil; atilde;o do contorno ao projeto de Terminal Intermodal que est aacute; sendo desenvolvido em Gua iacute;ra.

Casa do eletricista MINIESCAVADEIRA

Recursos
Indagado sobre a exist ecirc;ncia de recursos para o contorno vi aacute;rio de Gua iacute;ra, o engenheiro Heitor Dutra n atilde;o soube responder. O vereador Almir Bueno (PT) detalhou que a C acirc;mara de Gua iacute;ra j aacute; esteve em contato com o Governo do Estado para saber se existia recursos para a obra. Segundo Almir, em 2005, eacute;poca do fechamento do ped aacute;gio da Ponte Ayton Senna, existiam em caixa mais de R$ 30 milh otilde;es. Em 2009, com os juros, o valor foi ampliado para
R$ 37 milh otilde;es, mas, segundo o vereador, em contato verbal mantido com o DER, existem hoje cerca de R$ 15 milh otilde;es em caixa, j aacute; que uma parte dos recursos foi utilizada para executar obras em rodovias do Paran aacute;.
ldquo;N oacute;s temos que agir o mais r aacute;pido poss iacute;vel antes que Gua iacute;ra perca parte desse recurso rdquo;, destacou o presidente da C acirc;mara, Valberto (Beto) Paix atilde;o da Silva, que pediu mais uni atilde;o da sociedade guairense. ldquo;N oacute;s precisamos nos unir para cobrar mais investimentos para o nosso munic iacute;pio rdquo;, destacou.

Comiss atilde;o
A reuni atilde;o terminou com a cria ccedil; atilde;o de uma comiss atilde;o, com representantes da prefeitura, C acirc;mara de Vereadores e Aciag, que ter aacute; a responsabilidade de dialogar com as autoridades estaduais, a fim de incluir a constru ccedil; atilde;o do contorno vi aacute;rio de Gua iacute;ra na LDO de 2011 do Governo do Estado. Caso a obra seja autorizada, o projeto prev ecirc; que a constru ccedil; atilde;o levar aacute; em torno de 16 meses para ser conclu iacute;da.

lt;galeria / gt;

TOPO