Fale com a gente

Marechal Entrevista ao O Presente

Presidente nacional destaca ações do Senado JCI Brasil

Publicado

em

Representando o Senado JCI Brasil, Gilson Metz recebeu homenagem da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Foto: Divulgação)

Ser um senador da JCI não é para qualquer um. A honraria é concedida àqueles que realizaram serviços relevantes à organização e à sociedade. A JCI integra cerca de 800 mil jovens em todo o globo e o Senado JCI, que tem membros escolhidos a dedo, tem como função auxiliar na expansão e extensão da organização em nível mundial.

Fundado em 1972, o Senado JCI Brasil é presidido pelo rondonense Gilson Metz, que em 2009 também ocupou o cargo de presidente nacional da JCI. Ao O Presente, ele afirma que estar à frente da entidade e representar membros de todo o Brasil é um desafio que o enche de orgulho. “É uma grande responsabilidade alguém de Marechal Rondon estar à frente de pessoas tão importantes, que têm histórias relevantes e aguardam um bom trabalho”, pontua.

Metz destaca que ver o próprio município à frente de uma entidade em nível de Brasil inspira jovens rondonenses. “Independente da cidade onde você reside e das suas condições, todos têm a possibilidade de crescer, empreender e prestar serviços. A JCI valoriza quem se dedica. Marechal Rondon tem um presidente nacional e outros jovens daqui também podem ocupar a função no futuro. Todas essas ações são fruto de muita persistência, porque os benefícios só vêm quando você se coloca à disposição. Então, primeiro você precisa prestar serviço para depois colher os frutos”, enfatiza.

Presidente do Senado JCI Brasil, rondonense Gilson Metz: “Marechal Rondon tem um presidente nacional e outros jovens também podem ocupar a função no futuro. Todas essas ações são fruto de muita persistência, porque os benefícios só vêm quando você se coloca à disposição. Então, primeiro você precisa prestar serviço para depois colher os frutos” (Foto: Divulgação)

 

Membros

Metz frisa que não necessariamente o Senado é uma continuidade da JCI, uma vez que nem todos os membros tornam-se parte da senadoria. “A JCI tem como membros juniores pessoas dos 18 aos 40 anos. Depois dessa idade, a pessoa torna-se a ser um membro sênior, que tem o direito de participar das ações, mas não tem direito a voto. O título de senador, por sua vez, é um reconhecimento que os membros e a organização conferem a um alguém destacado por relevantes serviços prestados à organização. Ou seja, não é uma continuidade, embora obviamente motive os membros”, salienta.

O presidente nacional diz que o ingresso de novos membros ao Senado acontece raramente. “Não é todo ano que se conferem títulos de senador e não há necessariamente uma busca por novos senadores, visto que as pessoas precisam ser aptas e isso depende da trajetória de cada um. Simultaneamente, visamos o fortalecimento do Senado não só em Marechal Rondon, mas em todo o Brasil. Temos incentivado as organizações locais da JCI a conferir títulos de senadores, valorizando e reconhecendo a história das pessoas na organização”, ressalta.

 

Papel do Senado

Segundo Metz, o Senado JCI Brasil promove e difunde o juniorismo brasileiro, representando o país em apresentações para membros de outras nacionalidades e apoiando organizações locais através do estímulo à concessão de títulos, ascensão e recuperação de membros. “Como os senadores são pessoas influentes em suas comunidades, utilizam-se desta rede para busca de apoios e estruturação de organizações locais. Também prestamos apoio ao empreendedorismo, por meio de ações que estimulam a liderança aos juniores”, destaca Metz.

A fim de difundir o próprio Senado JCI Brasil, o presidente nacional comenta que existe o projeto para um podcast, em que serão compartilhadas as trajetórias dos senadores como forma de fortalece a história da entidade. “Nós estamos à frente do Senado e congregamos uma legião de pessoas que fazem parte da organização, que tem como principal propósito servir de instrumento de apoio para que as JCIs se fortaleçam, se revigorem, façam boas ações na comunidade e, principalmente, contribuam para termos uma sociedade mais digna, humana e empreendedora”, destaca.

 

Reconhecimento

No último mês, o rondonense representou o Senado JCI Brasil em cerimônia alusiva aos 60 anos da JCI de Rio do Sul, Santa Catarina. Na ocasião, a entidade nacional foi homenageada pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina. “Eu, enquanto presidente nacional, representei o Senado nesta homenagem, que se deve aos relevantes serviços que o Senado tem executado em nível de Brasil, estimulando a melhoria da sociedade através dos projetos da JCI e da formação das pessoas”, evidencia.

Na cerimônia de 60 anos da JCI Rio do Sul, Gilson Metz ladeado pela presidente da JCI Rio do Sul, Natália Feifarek, e pelo presidente nacional 2022 da JCI Brasil, Nelson Takahashi (Foto: Divulgação)

 

Representando o Brasil

Metz também apresentou o Senado Brasil para todas as Américas durante evento on-line. “Junto com o Senado da Argentina e da Venezuela, compartilhamos as iniciativas que estamos empreendendo neste ano, levando a exposição do Brasil para todos os países da América e, por conseguinte, para o mundo todo. Estas são outras oportunidades que a JCI nos proporciona: conhecer novas culturas, falar outras línguas, conhecer outros países e assim por diante”, frisa.

Pela frente, o presidente nacional adianta que deve marcar presença no Congresso Mundial da JCI, que vai acontecer em novembro, em Hong Kong.

 

Reconhecida pela ONU

Presente em todos os continentes, a JCI tem expressão mundial e forma lideranças e empreendedores ao redor do globo. “A JCI tem uma participação muito ativa junto às Nações Unidas, sendo reconhecida como uma das mais importantes e exponenciais organizações de formação de empreendedores e líderes. Todos os anos a gente realiza um fórum em conjunto com a ONU e, inclusive, o secretário-geral das Nações Unidas já visitou nossa sede mundial”, compartilha.

 

Convenção Nacional da JCI terá visita ao Biopark

Em outubro, Marechal Rondon recebe pela primeira vez em sua história a Convenção Nacional da JCI, bem como a Convenção Nacional do Senado JCI. O evento acontece de 14 a 16 de outubro e deve promover a troca de experiências, confraternizações e, sobretudo, a valorização dos juniores e senadores à sociedade.

“Teremos vários painéis, palestras, concurso de oratória e de debates, além da presença de Cesar Cielo, medalhista olímpico que abordará temas relevantes para aqueles que desejam se desafiar. Teremos também uma visita especial ao Biopark, com foco para as tecnologias que estão em voga nesse mundo em ebulição a fim de evidenciar a importância dos líderes, dos empreendedores nesse processo de mudanças pelo qual passa a sociedade”, menciona.

 

O Presente

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

Facebook