Fale com a gente

Municípios Levantamento dos prejuízos

Cerca de 11 mil hectares foram prejudicados pelo temporal em Maripá

Publicado

em

(Fotos: Valdelino Pontes)

Um temporal de grandes dimensões atingiu a região Oeste do Paraná na sexta-feira (22). Chuvas intensas, ventos fortes e granizos foram registrados nos municípios oestinos, causando estragos de larga monta.

Maripá foi uma das cidades mais afetadas e teve o fornecimento de energia 100% interrompido devido à grande quantidade de postes e árvores quebradas durante o temporal. Em proporção aos estragos, os trabalhos de organização do município também têm sido intensos desde então.

Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, servidores municipais e voluntários – não só de Maripá, mas de toda a região – não cessaram esforços até o momento, destaca o prefeito Rodrigo Schanoski. “Todas as equipes estão atuando firmemente. Preciso prestar os meus agradecimentos. Apesar dos estragos, estamos muito felizes com o apoio que temos tido dos municípios da região, nossos vizinhos, principalmente. Várias pessoas estão na cidade trabalhando, vieram com motosserras, caminhões e ajudam as equipes a catar galhos e no que é possível. A doação de donativos também é louvável”, enaltece. “É muito bonita a união que tem acontecido em prol da nossa cidade. Demonstra o carinho que a região tem com Maripá”, amplia.

Defesa Civil, bombeiros, servidores municipais, lideranças e voluntários não cessaram os esforços para que o município seja reorganizado (Foto: Divulgação)

 

400 propriedades rurais sem energia

Schanoski diz que a Companhia Paranaense de Energia (Copel) tem feito um trabalho extraordinário no que diz respeito à celeridade dos atendimentos. “Temos ainda cerca de 400 propriedades no interior com falta de energia. A Copel está com mais de 50 homens trabalhando no nosso município, interior e cidade, para restabelecer o quanto antes. Até hoje (segunda-feira, 25) cerca de 80% da energia foi restabelecida na área urbana. Até amanhã (hoje, 25) deve chegar a 100%”, prevê.

O maior prejuízo foi na questão da energia elétrica, considera o prefeito. “Muitos postes quebraram e toda a estrutura de iluminação veio abaixo. Em virtude das orquídeas das arvores, nós sempre preservamos muito bem os espécimes, que eram muito grandes, e quebraram com o vento, caindo sobre casas e carros, formando esse caos geral”, expõe.

 

11 mil hectares comprometidos

O chefe do Executivo maripaense menciona que o momento é de levantamento dos prejuízos, em paralelo com a limpeza e a entrega de donativos. “O que posso adiantar é que até hoje (ontem) cerca de 11 mil hectares foram comprometidos de alguma forma. Alguns locais foram devastados por completo e outros vão ter prejuízos, porque o milho acamou e vai ter perda. Também algumas estruturas rurais, como chiqueirão, várias leiterias e aviários, vieram abaixo”, pontua.

O levante dos danos acontece junto aos departamentos e secretarias municipais, em parceria com a Defesa Civil. “Tivemos muitos prédios públicos danificados por completo que provavelmente serão condenados”, lamenta.

De acordo com a Defesa Civil, o evento meteorológico que atingiu Maripá não foi um tornado, mas, sim, um forte vendaval.

Prefeito Rodrigo Schanoski: “É muito bonita a união que tem acontecido em prol da nossa cidade. Demonstra o carinho que a região tem com Maripá” (Fotos: Valdelino Pontes)

 

Estado de emergência

Maripá deve decretar estado de emergência e não, conforme divulgado preliminarmente, estado de calamidade pública. “É um estado de emergência, pois, a não ser os prejuízos econômicos e financeiros, não tivemos vítimas fatais”, explica o prefeito.

De acordo com Schanoski, dois técnicos da Defesa Civil de Curitiba estão no município para auxiliar na elaboração do Formulário de Informações do Desastre (Fide), plano que precisa ser cadastrado junto à Defesa Civil para decretar estado de emergência. Esse procedimento, aliado ao levantamento dos danos, é a prioridade do município. “Estamos tendo muita atenção para não deixar nada de fora do Fide para reivindicar o máximo de suporte do governo estadual e também federal. Agradeço ao governador que, de pronto, encaminhou reforços para cá”, frisa.

Depois do Fide ser encaminhado à Defesa Civil, automaticamente o Estado do Paraná deve convalidar. “O governador deve assinar o decreto para que tenhamos o reconhecimento federal, porque estamos em busca de recursos para auxiliar na reconstrução”, ressalta.

Milho acamou e deve acumular perdas (Fotos: Valdelino Pontes)

 

Festa sem nova data prevista

A festa em comemoração aos 32 anos de Maripá aconteceria no fim de semana, porém a programação foi suspensa devido aos estragos do temporal. “As estruturas móveis montadas no Centro de Eventos vieram todas abaixo. Lá foi uma das regiões mais atingidas. Então, a festa foi suspensa. Vamos realizá-la num próximo momento, mas agora a prioridade é restabelecer a vida normal da comunidade de Maripá e depois a gente vai tratar do assunto festa”, finaliza.

 

Doações

As doações às vítimas do temporal devem ser feitas apenas na prefeitura.

Não há uma conta oficial para doações e é necessário que a população fique atenta para evitar fraudes. O pedido é para que as pessoas contribuam com roupas, alimentos, colchões, lonas e telhas.

Evento meteorológico que atingiu Maripá não foi um tornado, mas, sim, um forte vendaval (Foto: Valdelino Pontes)

Em virtude dos estragos, Maripá deve decretar estado de emergência (Foto: Valdelino Pontes)

O Presente

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

Facebook