Ecoville – Maior rede de limpeza
Municípios Criadouros do mosquito

Santa-helenenses que mantêm objetos que acumulam água são multados

Prefeito Evandro Grade, a técnica em Vigilância Sanitária, Terezinha Bottega, e a secretária de Saúde, Marly Regina Maçaneiro: quando há reincidência no descuido com a propriedade são necessárias medidas mais drásticas (Foto: Divulgação)

 

A Prefeitura de Santa Helena autuou oito moradores por manterem em suas casas objetos que acumulam água e são criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e outras doenças. A medida é prevista em lei e foi colocada em prática após os agentes de combate a endemias visitarem por duas vezes as residências, orientando e comunicando da possível autuação, sem obter êxito.

As multas, conforme a secretária de Saúde, Marly Regina Maçaneiro, são uma forma, sobretudo, de valorizar e proteger as pessoas que mantêm seus quintais limpos e livres de focos do mosquito em um momento em que Santa Helena tem 22 casos de dengue e aumento no índice do Levantamento Rápido por Índice de Infestação (LIRAa), que chegou a 12,7%, quando o preconizado pelo Ministério da Saúde para não haver risco da doença é de 1%.

Casa do eletricista PRESSURIZADORES

Para realizar este levantamento, agentes de combate a endemias visitaram 465 residências e, portanto, 12,7% delas continham a larva do mosquito.

 

Fatos que preocupam

De acordo com Marly Regina, além dos números alarmantes, o estoque do inseticida utilizado no combate ao mosquito terminou e é de competência do Estado garantir o repasse do produto aos municípios, o qual não tem previsão para restabelecer o fornecimento.

Outro fator preocupante, segundo a secretária, são as epidemias de dengue registradas em cidades da região, como Foz do Iguaçu, com 500 casos, Cascavel, com 106, Terra Roxa, com 100, entre outros. “Todos os dias cidadãos santa-helenenses se deslocam até municípios da região por motivo de saúde ou estudos”, pontua, referindo-se ao risco de contrair a doença nessas localidades.

Marly Regina diz que o município não pretende continuar emitindo multas, porém, ela afirma que quando há reincidência no descuido com a propriedade são necessárias medidas mais drásticas. “A equipe da Secretaria de Saúde, por meio das vigilâncias, continua com o intenso trabalho de combate ao mosquito e conta também com a parceria dos agentes ambientais que recolhem o lixo reciclável, mas, mesmo assim, precisamos avançar mais e evitar que tenhamos uma epidemia em Santa Helena”, alerta.

 

Mutirão de limpeza

Nesta semana, além das ações já realizadas, a prefeitura está organizando um mutirão de limpeza nos terrenos de propriedade do município. “Os cuidados que a população deve ter já são conhecidos e a melhor forma de garantir que o mosquito não se prolifere é evitar objetos que acumulem água”, destaca a secretária. Segundo ela, conforme o LIRAa, os focos não estão no lixo reciclável, mas em vasos de plantas, bebedouros de cães e gatos e outros itens domésticos existentes na maioria das casas.

 

Com assessoria

TOPO