Copagril
Municípios Sensibilização

Sofrimento causado pelo uso de entorpecentes é exposto a alunos da rede estadual de ensino de Santa Helena

A intenção dos organizadores foi demonstrar na prática como os efeitos das drogas tanto lícitas quanto ilícitas são prejudiciais para a família e principalmente para o usuário (Foto: Divulgação)

Uma iniciativa da secretaria municipal de Saúde, por meio do Centro de Atenção Psicossocial – CAPS, ofertou aos alunos dos colégios estaduais Graciliano Ramos e Humberto de Alencar Castelo Branco uma palestra e um teatro protagonizados pelos profissionais do Recanto Parque Iguaçu, que é uma casa de acolhimento de dependentes químicos situada em Medianeira, mas que atende moradores locais através de convênio com a municipalidade.

A intenção dos organizadores foi demonstrar na prática como os efeitos das drogas tanto lícitas quanto ilícitas são prejudiciais para a família e principalmente para o usuário, causando danos à saúde e perante a sociedade.

Casa do Eletricista ESCAVAÇÕES

O evento aconteceu no Plenário da Câmara de Vereadores na última sexta-feira (07) e os alunos foram recepcionados pela secretária de Saúde, Marly Regina Maçaneiro, que repassou dados da situação local e alertou os presentes sobre os riscos existentes no município. Na sequência, os estudantes assistiram atentos ao teatro as Escolhas de Crispim que fala sobre a trajetória de um jovem que era obcecado em encontrar felicidades e em não encontrando na família e nem na namorada, acabou cedendo ao vício das drogas, mas a felicidade momentânea que ele encontrou, veio junto com sofrimento e dependência. No final da peça, Crispim descobre que a verdadeira felicidade está na vida cotidiana que levava contando com momentos de alegria e também de obstáculos, no contexto em que a família e os bons amigos são o caminho para a felicidade.

A programação também foi incrementada por uma fala do diretor do Recanto Parque Iguaçu, Gilmar Riboli que destacou como os usuários chegam até a casa os desafios que enfrentam para tentar deixar o vício.

Conforme a coordenadora do CAPS, Márcia Oppermann, a iniciativa ocorre justamente no mês de junho que que é considerado o período nacional de combate ao uso de entorpecentes e no estado, o tema é Paraná Sem Drogas. Ela lembra que quaisquer problemas identificados em jovens e adultos relacionados ao uso de drogas devem ser comunicados à equipe que está preparada para auxiliar as famílias santa-helenenses: “Este momento com os estudantes foi importante pois foi possível levar até eles um pouco da realidade enfrentada por usuários com objetivo também de colocar o CAPS à disposição como ferramenta de enfrentamento a estas situações,” afirma a Assistente Social.

 

Com assessoria 

TOPO