Paraná

Quatro Pontes completa 25 anos com índices de fazer inveja

Quatro Pontes completa 25 anos na quarta-feira (13) ostentando índices de fazer inveja. O município de 4.014 habitantes está atrás apenas de Curitiba e Maringá com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do Paraná. Ou seja, entre todas as cidades do Estado Quatro Pontes é a 3ª melhor para se viver, pois conta com uma das maiores expectativas de vida entre os 399 municípios paranaenses, as menores taxas de analfabetismo, alto rendimento da população e praticamente nenhum índice de pobreza.

E os números positivos não param por aí. Com a taxa de escolarização beirando os 100%, o índice de abandono escolar em zero e a taxa de analfabetismo abaixo de 1%, Quatro Pontes detém, também, o título de melhor educação do Brasil.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Para o prefeito João Laufer, todos esses índices satisfatórios são resultado de investimentos e um olhar diferenciado desde a emancipação do município.

Um dos carros-chefe na promoção do desenvolvimento local é o agronegócio, que movimenta a economia quatro-pontense, sendo o setor que resulta na maior fatia da arrecadação de impostos.

Atualmente, 34% da população de Quatro Pontes obtém o sustento a partir da atividade no meio rural. São 1,4 mil pessoas distribuídas em 404 propriedades agrícolas.

Em 2015, o agronegócio proporcionou R$ 222 milhões em toda a cadeia produtiva rural, crescendo cerca de 14% no ano seguinte, quando alcançou R$ 255 milhões. A atividade que mais gerou recursos nos últimos dois anos foi a suinocultura, com R$ 79 milhões, seguida pela avicultura e bovinocultura de leite; já os setores que mais cresceram foram a avicultura, com 63%, e a piscicultura, com incremento de 51% na análise de um ano para o outro. Os dados constam no relatório oficial do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab).

Laufer enfatiza que o agronegócio é a mola propulsora do progresso de Quatro Pontes. “Em vista disso, é um dos setores que recebe grande atenção por parte da administração municipal. Estamos oferecendo incentivo aos produtores rurais, por exemplo, em relação às estradas, a fim de deixá-las em dia para que a safra seja escoada com mais facilidade, além do transporte de produtos como aves, leite, peixes e suínos. Temos a intenção de apoiar ainda mais os produtores rurais no próximo ano, tanto que estamos discutindo a criação de novos programas para o crescimento da cadeia do agronegócio. Exemplo disso é que nesta semana encaminhamos ofício solicitando recursos ao Ministério da Pesca visando investir neste segmento. Quanto às empresas e indústrias, vamos trabalhar com o propósito de promover a geração de empregos e renda a toda a população”, enaltece.

 

Principal atividade

Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Pedro Becker, tradicionalmente o agronegócio é a principal atividade econômica de Quatro Pontes. “O setor representa aproximadamente 70% de toda a arrecadação de impostos do município. Considerando que no último ano o município arrecadou R$ 18 milhões, podemos concluir que o agronegócio proporcionou

R$ 12,6 milhões em tributos, portanto é o setor mais importante da nossa economia e merece atenção especial da administração municipal porque gera muitos empregos e renda à comunidade”, destaca.

Becker reforça que o governo municipal está ampliando o parque industrial para possibilitar a instalação de novas empresas e a geração de mais empregos. “Temos baixo índice de desemprego se for levada em conta a atual conjuntura política e econômica do país, mesmo assim é nosso dever oferecer condições para ampliar o emprego e renda à população”, menciona.

 

Carros-chefe

De acordo com o secretário, a bovinocultura de leite é um dos carros-chefe da economia de Quatro Pontes. “Estamos buscando alternativas para aumentar a produtividade. Vamos conseguir isso através da melhora genética, sanidade animal e de uma dieta adequada, proporcionando melhores resultados aos produtores”, ressalta, lembrando que a atividade cresceu 43% de 2015 a 2016.

A avicultura respondeu por R$ 38,6 milhões no último ano, contudo o município e os produtores dependem basicamente das empresas da região ou das cooperativas estimularem a expansão no setor. “Temos a previsão de que alguns aviários sejam construídos neste ano, mas devem ser poucos. Isso deve gerar incremento no faturamento, primeiro porque houve elevação do valor, assim como a quantidade de aves a serem abatidas tende a aumentar”, diz.

Os suinocultores estão atravessando uma boa fase devido ao preço dos insumos, o que coloca o ramo em expansão. “Três produtores estão ingressando na suinocultura, um deles com plantel  de 2,5 mil animais numa única granja na fase de terminação, enquanto as outras granjas serão voltadas à Unidade de Produção de Leitões (UPL). Essas são as três atividades que nós estamos fomentando, sem esquecer da soja e do milho, portanto incentivamos que o produtor diversifique a sua atuação, fazendo com que leite, suíno, aves, entre outros, contribuam para gerar uma renda satisfatória para a permanência do homem no campo. O objetivo da administração municipal é manter o produtor no campo. Estamos trabalhando na questão da sucessão familiar através de palestras nas comunidades, sendo interessante oferecer condições para que isso aconteça, as mesmas que existem na cidade”, expõe Becker.

 

Asfalto rural

Entre as ações que estão sendo realizadas para diminuir o êxodo rural está um projeto de melhorias nas estradas e asfaltamento rural. “Nós temos um recurso aprovado pela Câmara de Vereadores, assim como recebemos uma verba de R$ 250 mil conquistada pelos deputados estadual e federal José Carlos Schiavinato e Dilceu Sperafico para iniciar o asfaltamento rural. Esse primeiro trajeto, conforme está definido, será de Quatro Pontes até a Linha Souza Naves, contemplando três mil metros. O valor do quilômetro gira em torno de R$ 400 mil, então o asfaltamento deve ser possibilitado por intermédio da aplicação da verba dos deputados, mais contrapartida do município e parceria com os produtores rurais”, adianta o secretário.

“A nossa vizinha cidade de Toledo possui 200 quilômetros de asfalto rural, contudo o início ocorreu faz 20 anos. O nosso planejamento é executar pelo menos dez quilômetros de asfalto na área rural em todo o município de Quatro Pontes durante quatro anos. Essa é a nossa vontade, lógico que como temos um município pequeno, a nossa receita também é menor, demonstrando alto custo para a execução desse projeto. Por esse motivo é importante conseguirmos verbas estaduais e federais para facilitar a aplicação do projeto”, completa Becker.

TOPO