Policial

Polícia Civil já identificou autor da morte de Rogérinha

Rogérinha já havia sido presa em Marechal Rondon. Foto: Divulgação

A Pol iacute;cia Civil (PC) de Gua iacute;ra j aacute; identificou o suposto autor da morte de Rog eacute;ria Ferreira Lima, a Rog eacute;rinha, de 25 anos. A mulher foi morta na noite de segunda-feira (30), numa resid ecirc;ncia na Rua Olavo Bilac, proximidades do Kart oacute;dromo, com cerca de quatro tiros, possivelmente de rev oacute;lver, que lhe atingiram as costas, bra ccedil;o e a parte frontal do corpo. Ontem (1 ordm;), revelou o superintendente da PC, Ronaldo Medina, a pol iacute;cia foi informada que o autor do crime ir aacute; se apresentar. Segundo o policial, o autor n atilde;o foi localizado, mas equipes realizavam dilig ecirc;ncias e caso o suspeito n atilde;o se apresente e d ecirc; sua vers atilde;o sobre o crime, deve ser requerida sua pris atilde;o.
Pelo que a pol iacute;cia apurou, Rog eacute;rinha, que tinha passagens por furto, frequentava esporadicamente a casa onde foi morta. Ela teria contatos com o morador, mas a pol iacute;cia ainda n atilde;o conclui que tipo de relacionamento tinha com o mesmo. nbsp; nbsp; nbsp;

Hist oacute;rico
Rog eacute;rinha, apesar de ser de Gua iacute;ra, era conhecida em Marechal C acirc;ndido Rondon. Ela havia sido presa no dia 05 de junho de 2007, na cidade, acusada de tr aacute;fico. Ao ser presa, Rog eacute;rinha se identificou como Grace Kelly da Cruz Farias, pois estava sendo procurada pela pol iacute;cia de Gua iacute;ra (ela havia fugido no dia 03 de fevereiro de 2007 da cadeia de Gua iacute;ra, onde respondia por furto). Em Marechal Rondon, a mo ccedil;a foi presa junto com outras cinco pessoas, o que lhe ldquo;rendeu rdquo; ainda forma ccedil; atilde;o de quadrilha. Ela foi encontrada numa resid ecirc;ncia, tida na eacute;poca pela pol iacute;cia como boca-de-fumo, onde foram encontradas 99 pedras de crack, R$ 210 e dez papelotes de coca iacute;na.
No dia 15 de junho de 2007, Rog eacute;rinha, junto com outras duas pessoas que haviam sido presas com ela, al eacute;m de outros cinco acusados, conseguiram fugir por um buraco no sol aacute;rio da cadeia de Marechal Rondon. A informa ccedil; atilde;o que a pol iacute;cia de Gua iacute;ra tinha ontem era de que Rog eacute;rinha n atilde;o estava mais foragida.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto
TOPO