Ford/Abradif/Rodovel
Política

Advogado foragido da Lava Jato é preso na Espanha

 

Divulgação

 

O advogado Rodrigo Tacla Duran foi preso em Madrid, na Espanha, no começo da noite de sexta-feira (18). Duran estava foragido desde o último dia 10 deste mês, quando foi deflagrada a 36ª fase da Lava Jato, denominada de Operação Dragão.

Apontado como um dos operadores das offshores criadas pelo departamento de propina da Odebrecht, Duran estava nos EUA de onde partiu na terça (15) para a Espanha em voo comercial. Duran possui dupla cidadania (brasileira e espanhola) e integrava a Lista Vermelha de procurados da Interpol. A Polícia Federal recebeu informação de autoridades norte-americanas sobre a viagem de Duran para Madri.

O escritório central da Interpol em Brasília, então, entrou em contato com as autoridades espanholas, que prenderam o foragido. Após as comunicações oficiais, será iniciado o processo para que Duran seja trazido ao Brasil, onde vai responder pelos crimes que lhe são imputados no âmbito da Operação Lava Jato. Ele é suspeito de ter trabalhado por anos no setor de propinas da Odebrecht e de ter operado pelo menos 12 contas no exterior.

A força-tarefa de Curitiba afirmou que o suposto operador teria se beneficiado de mais de R$ 60 milhões oriundos do esquema. Segundo as investigações, Duran e o lobista e empresário Adir Assad, também preso na Lava Jato, foram responsáveis por “lavar” recursos ilícitos de empresas investigadas, entre elas a Odebrecht, a Mendes Junior e a UTC. O juiz Sergio Moro determinou o bloqueio de R$ 20 milhões das contas de Duran, mas foram encontrados cerca de R$ 700 mil.

TOPO