Copagril – Compras no Site
Ford Ranger 2021 + Territory
Política Reajuste de 16,38%

Reajuste do STF provocará efeito cascata com impacto de R$ 4 bilhões

Aumento de 16,38% atingirá servidores da União e estados (Foto: Calors Moura/SCO/STF)

O reajuste de 16,38% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), sancionado na segunda-feira (26) pelo presidente Michel Temer, significa uma bela quantia a mais nos contracheques dos magistrados: com quase R$ 6 mil de aumento, seus vencimentos passarão de R$ 33,7 mil para 39,2 mil mensais. A Corte minimiza o reflexo que o reajuste implica nas suas próprias contas – cerca de R$ 2,8 milhões ao ano –, mas a verdade é que, graças ao efeito cascata que incidirá sobre o funcionalismo público, a fatura ficará bem mais salgada para o Estado: um impacto de aproximadamente R$ 4 bilhões, só no ano que vem, sobre a União e os estados. Informações são do Carlos Estênio Brasilino,
do Metrópoles.

O cálculo foi divulgado pelas consultorias de Orçamento da Câmara e do Senado.

Casa do Eletricista – NÃO PAGUE AR

Como os salários dos ministros do Supremo definem o teto salarial do funcionalismo público, a União terá de arcar com um custo adicional de R$ 1,4 bilhão, aí incluídos os três Poderes. Já os estados precisarão desembolsar mais R$ 2,6 bilhões para pagar seus servidores.

Nem mesmo a contrapartida acordada entre o STF, o Congresso Nacional e o Palácio do Planalto, de extinguir o auxílio-moradia aos magistrados, é capaz de compensar o efeito cascata. Afinal de contas, os R$ 6 mil que os ministros da última instância do Judiciário terão a mais todo mês são superiores aos R$ 4,3 mil que ora recebem como auxílio-moradia.

Ainda segundo as consultorias de Orçamento da Câmara e do Senado, o benefício custaria cerca de R$ 450 milhões com o pagamento a magistrados e membros do Ministério Público, um valor 8,8 vezes menor do que os R$ 4 bilhões resultantes do reajuste de 16,38%.

 

Preocupação para Bolsonaro

O impacto nas contas públicas provocado pelo aumento dado aos juízes e, consequentemente, ao funcionalismo público, preocupa o futuro governo de Jair Bolsonaro (PSL). O presidente eleito chegou a criticar publicamente a medida ao dizer que o momento não é o mais adequado para a elevação de despesas públicas e que o Judiciário é o mais bem aquinhoado entre os Poderes da República.

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, preferiu legislar em causa própria ao defender, junto ao futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, o polpudo contracheque. Ao economista, o magistrado reiterou que diversas categorias do Poder Público receberam reajuste salarial em 2016, mas que o Judiciário ficou de fora e, por isso, teria salários defasados. O titular da Suprema Corte voltou a afirmar que haverá compensação às perdas com o fim do auxílio-moradia.

A verdade é que, com o reajuste do STF, boa parte dos recursos federais será injetada em salários de servidores que já se encontram no alto da pirâmide das remunerações, em vez de ser direcionada à manutenção de serviços públicos e a investimentos.

 

Gastos estimados com o reajuste do STF

  • Poder Judiciário (esfera federal): R$ 717 milhões
  • Ministério Público (esfera federal): R$ 258 milhões
  • Executivo e Legislativo federais e Defensoria Pública da União: R$ 400 milhões
  • Servidores dos estados: R$ 2,6 bilhões

 

Com Boca Maldita 

TOPO