Geral

Exército realiza treinamento e simulações de guerra

Cerca de 500 militares de Cascavel, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Palmas e Apucarana participam de diversos treinamentos e simulações de guerra na Usina de Salto Caxias, em Capitão Leônidas Marques. A operação, chamada de “Laçador” e coordenada pelo Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), órgão ligado ao Ministério da Defesa, também é realizada nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Ao todo, são oito mil militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica. As atividades, coordenadas pela 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada com sede em Cascavel, começaram na terça-feira (17) e seguem até a próxima sexta-feira (27).

Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

Ao redor da área da usina é possível ver os militares preparados e atentos para qualquer possível ataque. Divididos em dois grupos, um faz a proteção da usina e o outro fica descaracterizado para tentar invadir o local. O objetivo, conforme explicou o oficial de Comunicação Social da 15ª Brigada de Infantaria Paulo Henrique Rivero, é evitar a entrada de pessoas que possam oferecer algum risco à empresa.

No Paraná, somente o Exército participa do treinamento e das simulações, onde são realizadas operações de defesa de estruturas estratégicas terrestres. “Eles estão simulando ataques descaracterizados, ataques à usina, tentativa de invasão, tentativas de sabotagem. O exercício de simulação de combate visa uma integração maior dos militares com as estruturas estratégicas que estão sendo utilizadas para o exercício”, explicou Rivero.

Para evitar confusões entre quem participa do treinamento e civis, os militares, que estão disfarçados, estão identificados com uma faixa no braço. As invasões dos grupos disfarçados não são avisadas. Por isso, segundo Rivero, os militares que trabalham na segurança da usina ficam atentos 24 horas para evitar qualquer ataque.

Todas as ações realizadas pelos militares são avaliadas por uma equipe para posteriormente trabalhar os erros cometidos. Pela primeira vez, este tipo de operação contou com a tropa da 15ª Infantaria Mecanizada, que possui veículos blindados usados em guerras.

No centro de Capitão Leônidas Marques, também foi montado um Posto de Comando e Área de Apoio Logístico, de onde são fornecidos os alimentos, equipamentos necessários para a operação e cuidados com a saúde dos militares, entre outros.

TOPO