Ford Ranger e Ecosport Set/2020
Copagril – Compras no Site
Geral

Taxa anual de crescimento de Medianeira é de 67%

Reprodução

A renda per capita média de Medianeira cresceu 119,06% nas últimas duas décadas, passando de R$ 417,54, em 1991, para R$ 547,46, em 2000, e para R$ 914,67, em 2010. A taxa média anual de crescimento, entre 2000 e 2010, foi de 67,08%. Os dados fazem parte do ranking do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) realizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e inserido no “Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013”.

A divulgação foi feita nesta segunda-feira (29) e leva em conta a comparação dos censos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010 com 2000 e 1991. Na última década, a dimensão Renda foi a segunda que mais cresceu entre os três itens que compõem a média do IDHM: Educação, Renda e Longevidade. No geral, Medianeira está situada na faixa de Desenvolvimento Humano Alto, em 13º lugar no Paraná e em 320º entre os 5.565 municípios brasileiros.

Casa do Eletricista – GENCO

Dados

Conforme a pesquisa, a redução no número de pessoas em condições de extrema pobreza (medida pela proporção de pessoas com renda domiciliar per capita inferior a R$ 70,00, em agosto de 2010) foi um dos fatores que mais colaborou para o crescimento do índice. Em 2010, a proporção foi de 0,87%, contra 2,98% em 2000 e 8,76% em 1991.

Entre 2000 e 2010, a taxa de atividade da população de 18 anos ou mais (percentual dessa população que era economicamente ativa) passou de 72,31% em 2000 para 76,72% em 2010. Ao mesmo tempo, sua taxa de desocupação (percentual da população economicamente ativa que estava desocupada) passou de 11,69% em 2000 para 3,30% em 2010. Um dado importante é que, na última década, o grau de formalização dos trabalhadores aumentos de 52,07% para 70,84%.

Em 2010, das pessoas ocupadas na faixa etária de 18 anos ou mais, 11,43% trabalhavam no setor agropecuário, 0,03% na indústria extrativa, 23,43% na indústria de transformação, 7,57% no setor de construção, 0,83% nos setores de utilidade pública, 16,99% no comércio e 35,38% no setor de serviços.

TOPO