Copagril
Paraná

Costa Oeste em alta

 

Mirely Weirich/OP

Enquanto Porto Mendes espera recuperar as baixas do início de temporada em janeiro e no Carnaval, Entre Rios do Oeste e Santa Helena comemoram a superação da expectativa de visitantes nos balneários

 

Com as altas temperaturas registradas nesta temporada de verão, que já fizeram os termômetros subirem antes mesmo da estação mais quente do ano, os balneários banhados pelo Lago de Itaipu, na Costa Oeste paranaense, ganharam paisagem de litoral pelo alto número de veranistas que buscam as águas para passar o fim de semana.

Em Porto Mendes, distrito turístico de Marechal Cândido Rondon, a praia artificial estava cheia no último sábado (14). Não somente por quem queria aproveitar a costa para banhos e mergulhos, mas também para pescadores e amantes das águas, que perdiam-se no horizonte com lanchas e barcos, além de pilotos de jet-ski que cortavam ao lago com manobras arrojadas.

Casa do Eletricista ESCAVAÇÕES

Apesar do fluxo significativo de veranistas nos fins de semana ensolarados que vêm sendo registrados no primeiro mês deste ano, a coordenadora do Núcleo Multissetorial do distrito turístico – ligado à Associação Comercial e Empresarial de Marechal Cândido Rondon (Acimacar) -, Kaliandra Richter, destaca que no início da temporada, em dezembro, os comerciantes sentiram uma queda de turistas de pelo menos 50% em relação ao ano anterior. Foi uma temporada atípica porque dezembro foi um mês chuvoso e teve frio, então tivemos um início bastante ruim, destaca.

Na virada do ano, data em que Porto Mendes torna-se uma das referências de atrações no município, o público também não agradou. E o pessoal que veio reclamou porque não tivemos fogos na praia, somente os da comunidade, e isso foi um ponto muito negativo, relembra Kaliandra, mencionando que a falta de feriados no fim do ano, já que o Natal e o réveillon caíram em um domingo, colaborou com a baixa. O núcleo fez sua parte, com decoração natalina na avenida, que ficou linda, promoções nas lojas para que as pessoas viessem comprar no comércio, mas essa falta de visitantes desestabilizou o início da temporada, menciona. E isso impactou diretamente na economia local porque o comércio de Porto Mendes é essencialmente turístico, então a nossa esperança de um ano melhor é a temporada de verão, diz Kaliandra.

 

Esperança

Com o início do novo governo municipal, a coordenadora do Núcleo diz que este é um momento de bastante esperança para os empresários do distrito, pois eles querem acreditar que a realidade local passará por mudanças. Por janeiro estar registrando altas temperaturas, aqueles que estão de férias ainda vêm acampar, ou quem tem barco passa os fins de semana aqui, porque o distrito ainda se torna um local mais barato para passar poucos dias, enfatiza a coordenadora do Núcleo. Ainda temos a boa expectativa para o Carnaval, que é o próximo feriado prolongado antes do fim da temporada, então ainda há uma esperança de alta, avalia.

 

Sem promessas

Ainda sem um secretário anunciado para ocupar a pasta de Indústria, Comércio e Turismo, o prefeito de Marechal Cândido Rondon, Marcio Rauber, ressalta que este momento não é de prometer. Enquanto candidato não fiz isso e como prefeito não vou prometer, mas já estamos trabalhando com o pensamento muito bom para Porto Mendes, declara.

De acordo com Kaliandra, dentre as reivindicações da comunidade está a construção de um calçadão na Avenida Capitão Heitor Mendes – pedido feito há anos, bem como melhorias na estrutura do camping, como substituição de churrasqueiras quebradas e de quiosques.

Além de uma obra de canalização de águas pluviais paralisada que deve ter continuidade neste ano, o atual dirigente municipal menciona a necessidade de investimentos na avenida principal e na infraestrutura do parque. Não é aceitável o distrito ser chamado de turístico e ter uma avenida naqueles termos. Ela precisa de uma revitalização, ser colorida, melhorar o asfalto e dar melhor infraestrutura ao parque com churrasqueiras e banheiros, pontua, ressaltando que todas as intervenções realizadas no Parque de Lazer Annita Wanderer demandam de tratativas com a Itaipu Binacional. Sabemos que muitas ações precisam ser desenvolvidas em Porto Mendes, mas com calma, cuidando do orçamento, buscando recursos, e dando ao distrito aquilo que ele por tanto tempo almejou e merece, pontua Rauber.

 

Sem falta dágua

Ao contrário de Marechal Cândido Rondon, os municípios de Entre Rios do Oeste e Santa Helena, que também são banhados pelo Lago de Itaipu, têm registrado aumento no número de visitantes desde dezembro. Em Santa Helena, a expectativa é de que até o fim de março cerca de 150 mil pessoas visitem o balneário. No município, a Secretaria de Desenvolvimento e Associativismo iniciou um processo de limpeza, organização e conservação do balneário para prestar um serviço de qualidade aos turistas. Fizemos um levantamento da parte hidráulica e elétrica e aproximadamente 50% das lâmpadas serão trocadas, além de melhoria nos banheiros, descompactação de nivelação da areia, para que fique mais fofa e livre de resíduos, destaca o secretário da pasta, Lenecir José Benacchio.

Um dos motivos para que Santa Helena mantenha-se com um dos maiores fluxos de banhistas também ocorre pela Praia Nova, diferencial do município para anos em que o Lago de Itaipu está baixo. Apesar de nos dois últimos anos não termos registrado baixas, ainda temos essa segurança, comenta.

No local, foi instalada uma espécie de proteção, com três grandes veias para a entrada de água que mantêm a altura da água na praia artificial. Neste ano não estamos precisando bombear água do Lago de Itaipu, porém, se algum dia ele estiver baixo, nós conseguimos nos manter estáveis. Enquanto o Lago estiver em 50%, por exemplo, nós teremos praticamente 100% na Praia Nova, explica Benacchio.

Para a próxima temporada, já está em fase de licitação o mobiliário interno e equipamentos de um Centro de Apoio ao Turista, construído na entrada do balneário. No espaço, haverá um auditório com capacidade para 60 pessoas e sala de apoio e equipamentos para a realização de cobrança eletrônica das taxas para os usuários. Esse sistema terá ligação direta com a Secretaria de Finanças, promovendo mais qualidade no atendimento e transparência para a população, ressalta.

Na visão de Benacchio, a mobilidade urbana leva a uma democratização do acesso à população, por isso, ao passo que exige-se mais dos visitantes de um determinado local, eles deixam de frequentá-lo e encontram outro ponto turístico para aproveitar os momentos de lazer. Este espaço tem um custo elevado de manutenção, mas, por outro lado, traz um ganho do ponto de vista econômico para a cidade, com o consumo em bares, restaurantes, farmácias e supermercados, por exemplo. Vemos que o turismo é mais um mecanismo para o município movimentar sua economia. O balneário não é um custo, mas, sim, uma ferramenta de desenvolvimento do nosso município, enaltece.

 

Expectativas superadas

Na avaliação do prefeito de Entre Rios do Oeste, Jones Heiden, a temporada está ultrapassando todas as expectativas da municipalidade. Tanto na virada quanto no mês de janeiro, o público que está frequentando o balneário está maior do que estávamos aguardando e maior do que na última temporada, e isso nos anima para continuar com as melhorias que são exigidas pelo local, pontua.

De acordo com ele, o alto número de turistas também tem impacto positivo no comércio, especialmente porque Entre Rios do Oeste recebe um grande fluxo de pescadores esportivos da microrregião. Os investimentos realizados atualmente no balneário, conforme o dirigente, estão na manutenção da estrutura, como banheiros e quiosques. Assim que definirmos o novo secretário responsável pela pasta de Indústria, Comércio e Turismo, iremos discutir quais são as principais necessidades e trabalharemos com essas frentes para dar melhores condições aos veranistas, menciona Heiden.

 

Michele Noro

Um dos motivos para que Santa Helena mantenha-se com um dos maiores fluxos de banhistas ocorre pela Praia Nova, diferencial para anos em que o Lago de Itaipu está baixo

 

TOPO