Copagril
Paraná

Morre oitava vítima de acidente com ônibus na BR-158 em Campo Mourão

Divulgação

Morreu na madrugada desta sexta-feira (06), a oitava vítima do acidente ocorrido na última terça-feira, no entroncamento da BR-158 com a PR-317, na região de Campo Mourão (Noroeste), onde um ônibus caiu em uma ribanceira com mais de 30 metros de altura. Larissa Bulgarelli Pires, de 17 anos, estava internada desde terça-feira Santa Casa de Campo Mourão, mas não resistiu aos ferimentos e morreu às 5h15 desta sexta, segundo o hospital. Ela era moradora de Foz do Iguaçu (Oeste), e viajava com a mãe.

Casa do Eletricista CÂMERAS

Segundo a Santa Casa, dos 13 pacientes que foram atendidos logo após o acidente, apenas cinco seguem internados. Dois estão na enfermaria com quadro estável e três seguem na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave. O hospital informou ainda que, até o momento, dois pacientes foram transferidos e cinco receberam alta.

O acidente deixou inicialmente sete pessoas mortas e 35 feridos. O motorista perdeu o controle do ônibus e saiu da pista por volta das 3h30. O ônibus saiu de Foz do Iguaçu, no oeste, na noite de segunda-feira (2), e seguia para Maringá. O acidente ocorreu no trecho final da viagem.

Em depoimento à Polícia Civil, o motorista do ônibus que se acidentou disse não se lembrar do momento do acidente. Ele afirmou que não se recorda do evento do acidente, que a última recordação que ele tem é ele virando no trevo, relatou o delegado Marcelo Trevisan, responsável pelo inquérito que investiga as causas do acidente.

O homem prestou depoimento na tarde de quinta-feira (5), após ter alta do hospital. O motorista contou que não costuma passar de 95 km/h, dependendo do trecho, como em uma descida, por exemplo. No momento do acidente, por não se recordar dos fatos, ele fala que não pode precisar a velocidade que ele estava, informou Trevisan.

Passageiros contaram que o ônibus estava em alta velocidade no momento do acidente. O disco tacógrafo, apreendido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e encaminhado à perícia, apontava na última marcação uma velocidade de aproximadamente 100 km/h. No trecho do acidente, a velocidade máxima permitida é de 40 quilômetros por hora.

TOPO