Ecoville – Maior rede de limpeza
Pref. CORONADENGUE
Política

Delator diz que Osmar Dias recebeu doações da Odebrecht via caixa 2

Divulgação

O ex-senador paranaense Osmar Dias (PDT) aparece na lista de nomes citados nas delações de executivos e ex-executivos do Grupo Odebrecht. Nos documentos revelados pelo relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, Dias é citado como beneficiário de doações de campanha não declaradas à Justiça Eleitoral nas eleições de 2010, quando concorreu ao governo do Paraná.

Casa do eletricista PRESSURIZADORES

O ex-diretor da Odebrecht, Luiz Ayres da Cunha Santos Reis, que citou Osmar Dias, também delatou o ex-ministro e atual presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. Os dois políticos aparecem na mesma petição do ministro Fachin que remete o caso à Procuradoria da República no Distrito Federal, já que nenhum dos citados tem foro privilegiado. A decisão de abertura de inquérito para a investigação do ex-senador será da Justiça Federal do Distrito Federal.

O documento subscrito por Fachin não deixa claro quanto Lupi e Dias teriam recebido, cada um, dos R$ 800 mil repassados pela Odebrecht com o fim de assegurar apoio político do Partido Democrático Trabalhista.

O ex-senador contestou as informações sobre a delação publicadas na terça-feira (11). Tenho uma vida limpa, uma ficha limpa, não aceitei em hipótese alguma doação que não fosse registrada e legal e os recursos repassados pelo PDT nacional são do fundo partidário, afirmou.

Nas eleições de 2010, Osmar Dias declarou ter recebido R$ 29,5 milhões em doações de campanha a maior parte dos recursos foi doada pelo próprio partido. Na declaração entregue ao Tribunal Superior Eleitoral não constam doações do Grupo Odebrecht.

Fachin determina arquivamento de citação a Alvaro Dias

O senador Alvaro Dias (PV), irmão do ex-senador Osmar Dias, também foi citado nas delações da Odebrecht. O delator Pedro Augusto Ribeiro Novis cita fatos ocorridos ainda no período em que Alvaro era governador do Paraná, entre 1987 e 1991. Segundo o delator, que também acusa ex-governadores de outros estados, pessoas ligadas a essas autoridades teriam recebido vantagens indevidas por meio do Setor de Operações estruturadas. Entretanto, a Procuradoria-Geral da República não encontrou elementos suficientes para abrir uma investigação.

As aludidas afirmações revelam-se insuficientes a demonstrar prática de delito criminal, o que afasta o interesse do Ministério Público Federal em dar continuidade ao feito, diz o texto da PGR.

Com base nesta alegação, o ministro Edson Fachin determinou o arquivamento deste caso, atendendo ao pedido do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot.

TOPO