Política

Luciano Huck nega que seja candidato a presidente em 2018

Divulgação/TV Globo

O apresentador de televisão Luciano Huck nega que seja candidato a presidente da República. Em artigo publicado neste domingo (14) no jornal Folha de S.Paulo, intitulado “Estou aqui”, Huck afirma: “não sou candidato a nada. Mas também não vou deixar de me envolver e me dedicar à transformação do país”.

Casa do Eletricista – RETOMA

Ele relata que já visitou o Brasil de ponta a ponta por força do ofício nas últimas duas décadas, mas que não é postulante a nenhum cargo político. “Sem qualquer convite, fui dragado para uma discussão política, um lugar fora de minha área de conforto”, escreveu.

Diz que é preciso superar a polarização no cenário político atual e começar a discutir ideias e projetos. “Temos que ser curadores das boas ideias, de gente competente que queira se dedicar de fato à gestão pública, a servir.”

Dois meses atrás, também em entrevista a mesma Folha de S. Paulo, Huck deu a entender que poderia sim se candidatar. “É hora de minha geração ocupar os espaços de poder”, disse, embora despistasse sobre filiação partidária.

Em meio à descrença gerada pelas delações da Odebrecht em relação aos políticos, o nome de Huck começou a surgir nas bolsas de aposta, com várias especulações, pela Presidência da República. Isso, claro, despertou tanto a ira quanto a simpatia de políticos tradicionais.

Na noite de sexta-feira (12), a ex-presidente Dilma Rousseff afirmou que o Brasil atual caminha a “passos largos” para adotar uma “política social de auditório” em referência ao apresentador da TV Globo, durante uma palestra em Porto Alegre (RS). “Em Harvard (universidade nos EUA), eu assisti a uma inovação, que é o que eu chamei de política social de auditório. Uma pessoa quis demonstrar a eficácia social de um programa de televisão de uma pessoa chamada Luciano Huck, mostrando como uma senhora tinha melhorado de vida”, disse, citando a palestra feita por Huck no evento Brazil Conference.

Segundo ela, se antes a tendência dos grupos neoliberais era de apoiar gestores como candidatos, “agora estão caminhando a passos largos para que seja um animador de auditório. Fernando Henrique Cardoso defendeu Luciano Huck como hipótese”. “Isso é gravíssimo. Há uma manipulação eleitoral explícita”, acrescentou.

Também falando para a Folha de S. Paulo semanas atrás, FHC citou o prefeito de São Paulo, João Doria, e o apresentador Luciano Huck como sendo o “novo” na política brasileira.

TOPO