Fale com a gente

Tarcísio Vanderlinde

O profeta que levou um tapa

Publicado

em

Ao examinarmos as narrativas bíblicas, percebemos que nem sempre os profetas foram bem recebidos por dirigentes ou pela população onde exerciam seus ministérios. É emblemática a predição de Jesus que envolve profetas, a destruição de Jerusalém e seu futuro retorno àquele ambiente:

“Jerusalém, Jerusalém, você, que mata os profetas e apedreja os que são enviados a vocês! Quantas vezes eu quis reunir os seus filhos, como a galinha reúne os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram. Eis que a casa de vocês ficará deserta. Pois eu digo que vocês não me verão mais, até que digam: Bendito é o que vem em nome do Senhor” (Mateus).

O rei Davi personifica um caso raro que acatou a repreensão do profeta Natã após ter se envolvido passionalmente com a mulher de um soldado do seu exército. Seu arrependimento vem expresso no salmo 51: “Tem misericórdia de mim, ó Deus; por tua grande compaixão apaga as minhas transgressões. Lava-me de toda a culpa e purifica-me do meu pecado”.

Tempos depois, Acabe reinava em Israel durante a fase em que, aliado a Josafá, o rei de Judá empreendeu guerra contra o rei da Síria. Antes de entrar em batalha, porém, Acabe resolveu ouvir seus profetas, que lhe garantiram que não precisaria temer por um mau resultado. A vitória era certa.

Mas o aliado Josafá considerou a profecia duvidosa e perguntou se não haveria em Israel algum outro profeta que inspirasse maior credibilidade. Existia! Era Micaías, mas Acabe o odiava, e o metera numa prisão, “pois só lhe profetizava o mal e lhe tinha dado certeza de que ele seria vencido e morto pelo rei da Síria” (1Reis).

Micaías acabou sendo chamado e, ao ser pressionado que dissesse a verdade, reiterou o que já havia profetizado anteriormente: os israelitas seriam derrotados, mas salvariam suas vidas ao fugir do inimigo e somente o rei pereceria no combate.

Essa “afronta” rendeu a Micaías um tapa de Zedequias, um dos profetas de confiança mais influentes de Acabe, e que mantinha o cargo profetizando coisas boas ao rei. Resultado: Micaías voltou para a prisão e Acabe foi morto como profetizara.

O episódio também é registrado pelo historiador Flávio Josefo, que alerta sobre os riscos de se acreditar numa estirpe de profetas, que, “para agradar aos homens, só lhes dizem o que é agradável, ao passo que somente os oráculos divinos nos avisam o que nos é mais conveniente fazer ou deixar de fazer”.

 

O autor é professor sênior da Unioeste

tarcisiovanderlinde@gmail.com

Continue Lendo

Facebook