Ford Ka 2020
Pastor Mário Hort

“Que minha dor te ajude a sair da escuridão” – 4ª parte

 

No primeiro dia em Maceió, surgiu um depoimento no YouTube que eu preciso divulgar como resposta à nossa pergunta: “Quanto vale a sua alma?”

Damaris Alves, pastora, advogada, mestre em Educação, de direito constitucional e da família, disse: “Eu fiz da minha dor a minha luta e bandeira, porque aos seis anos de idade fui barbaramente abusada dentro da minha casa. E aqui um recado: ‘Mais de 68% das crianças são abusadas por pessoas da casa. E eu fui abusada por uma pessoa próxima da casa’. Não foi só o corpo que foi machucado, pois a pessoa que abusava de mim tentou enterrar o futuro da minha vida, me fazendo querer tirar a própria vida. Quando estive para morrer, pois supostamente iria me suicidar, tive um encontro especial com Jesus aos dez anos. Eu estava em cima de um pé de goiaba, com o veneno na mão…

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Quando a pessoa abusava de mim, eu já tinha aceitado Jesus sabendo que iria para o céu. Mas, ele me dizia que eu era a culpada por seduzi-lo. Sendo assim, era eu a pecadora e não iria para o céu. Olha o que ele fez comigo, ele tirou de mim o céu! Ele tirou duas coisas de mim: machucou o meu corpo por dois anos, e ainda tirou o céu.

Quando eu queria me suicidar, estava em cima de um pé de goiaba chorando, porque eu queria morrer. Acredite se quiser: eu tive uma visão de Jesus. Eu lembro que Jesus subiu no pé de goiaba. E lá no pé de goiaba Ele me deu o abraço que ninguém na igreja me deu, e que a minha própria família também não me dava, então desci daquela árvore de forma diferente”.

Esse é o país que machuca crianças…

Damares Alves se defende dos ataques de sua fé: “Que a minha dor e a minha história te ajudem a sair da escuridão e tragam luz a todas as suas mazelas. Que você possa observar os sinais das crianças que te cercam e, se necessário, subir no ‘pé de goiaba’ para resgatar aquele vizinho, sobrinho, aluno ou o filho que está em grande sofrimento”, declarou Damares. (Essa foi uma entrevista evangélica tal como a divulgamos para essa finalidade – não é política, mas pedagógica e como alerta para as igrejas e famílias pastorais.)

Logo após a visita a Maceió ouvimos histórias de abusos de crianças que nos deixaram anojados. O que pais, com auxílio de suas esposas, fazem com seus filhos, meninos e meninas, são crimes hediondos, e segundo uma terapeuta internacional são atos praticados inclusive por pastores.

Guardei um recorte da revista Stern, da Alemanha, com o depoimento de Hans-Heinrich Hedner, de 59 anos, que foi abusado no Internato Heim Stephansstift, em Hannover.

Perguntado quanto de indenização ele iria solicitar do colégio, o homem apenas respondeu: “Uma alma não tem preço”.

Vamos acabar com o silêncio hipócrita. Existem muitos tipos de abusos sofridos por crianças e adultos, porém é preciso conseguir a superação e o fim dessa vergonha hedionda.

 

Mário Hort, o autor é pastor da Igreja de Deus no Brasil em Marechal Cândido Rondon

ecosdaliberdade@yahoo.com.br

TOPO