Fale com a gente

Pitoco

Floresta verticalizada

Publicado

em

Dizer que o periférico e pobre Jardim Floresta dos anos 1980 teria prédios residenciais seria piada de papagaio, ave que nomina a Avenida Brasil da Porção Norte

A Papagaios voa alto com o primeiro projeto de verticalização no Floresta: quatro torres com 240 apartamentos, algo inimaginável para o arquiteto Jaime Lerner e o prefeito Pedro Muffato

Santos, mineira, foi uma das primeiras moradoras do Jardim Floresta, conjunto de 1.140 casas populares na Porção Oeste de Cascavel. Ela dá a dimensão do que era morar ali 42 anos atrás. “Acordava 5 de manhã para me juntar a um grupo de mulheres e seguir a pé até a garagem da Princesa dos Campos para lavar ônibus”, disse.

Do Floresta à Princesa, são 6 quilômetros. O depoimento dela está na dissertação do mestrando Maicon Mariano, da Universidade Estadual de Santa Catarina.

Mariano esquadrinhou em seu mestrado três novos aglomerados urbanos formados em Cascavel entre as décadas de 1970/80: Guarujá (1976), Parque Verde (1978) e Floresta (81). O que o acadêmico viu naquela desolada Porção Norte de Cascavel quase duas décadas atrás, quando apresentou seu mestrado, nada faz lembrar em que se tornou um raio de 15 quilômetros no entorno do Floresta.

Quinta-feira, 26 de outubro de 2023 – Cerca de 500 pessoas se aglomeram na Papagaios, a “Avenida Brasil” do Floresta. Ali o empresário Natuani Costa e o artilheiro Paulinho Cascavel recebem corretores e clientes para iniciar – acreditem – a verticalização do Floresta.

Sim, a dupla apresentou ao mercado o Floresta Residence, um conjunto de quatro torres com 240 apartamentos. A rua que recebe o empreendimento tornou-se uma dinâmica avenida comercial abrigando nomes como Muffato Max, Irani, Imobiliária Cidade, Construcal, Sicoob e Sicredi, entre outras menos votadas. Dona Ana, aquela das longas caminhadas, se pudesse ver a via hoje, exclamaria: “Papagaios!”.

Mufatto: “Loteei mesmo”

Foi na gestão Pedro Muffato, na primeira metade dos anos 1970, que o perímetro urbano de Cascavel transbordou para além da rodovia 467.

Ouvido pelo Pitoco, ele justificou a ação que contrariava um parecer do então jovem arquiteto Jaime Lerner, contratado para desenhar o Plano Diretor que seria apresentado em 1978. “Eu liberei os loteamentos na região Norte mesmo. Terrenos no centro e bairros centrais custavam uma fortuna. Os novos loteamentos deram um choque de oferta, vendidos em até 70 meses, acessíveis para as famílias mais humildes”, disse Muffato.

A justificativa dele ficou muito parecida com o argumento usado pelo prefeito Paranhos, recentemente, para realizar a maior expansão do perímetro urbano da história.
E ambos os alcaides acabam dando sentido para uma frase cunhada por Lerner, o urbanista mais premiado do Brasil depois de Oscar Niemeyer: “O que se poderia classificar como exemplos de uma boa acupuntura urbana? Em alguns casos, as intervenções se dão mais por necessidade que por desejo, para recuperar feridas que o próprio homem produziu”, disse Lerner.

Bola na rede

Antes que este debate faça voar verdes penas de papagaios nos céus da Porção Norte de Cascavel, vale voltar para o Floresta Residence: o Natu, da Schneider & Costa, escalou como parceiro no empreendimento o “camisa 9” Paulinho Cascavel, da Bacinello Construtora.

Olhando para a vasta torcida que compõe o Floresta (10 mil almas) mais o entorno ( 51 mil moradores na região Norte, maior que 364 municípios do Paraná), Paulinho percebeu a bola quicando e bombou para o fundo da rede. Não era piada de papagaio. Era o início da verticalização do Floresta.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Nova “rodoviária nova”

Escada rolante da história liga lojas Riachuelo, no centro da cidade, ao terminal rodoviário, que receberá aporte de R$ 18 milhões

O hardware do terminal rodoviário suportou bem décadas de crescimento da cidade, mas seu software precisa de uma atualização

Está tudo certo entre Ratinho Junior e Leonaldo Paranhos: Cascavel receberá R$ 18 milhões do Governo do Estado para uma completa revitalização do Terminal Rodoviário Helenise Tolentino, local também conhecido como “rodoviária nova”.

Iniciada na gestão Jacy/Assis e concluída na administração “juntos tudo é possível” de Fidelcino Tolentino, a obra foi inaugurada no inverno de 1987 com o status de cartão postal da cidade. O prédio tem dois pavimentos providos de 32 plataformas de embarque que abrigaram um fluxo, em 2022, de 1,9 milhão de passageiros em 96,1 mil ônibus.

Escada pioneira

Embora elaborado para décadas de crescimento da cidade, o terminal ficou pequeno? Não. Ficou “remendado”, desatualizado e ermo, principalmente em sua área interna.

Qual será uma das novidades do terminal repaginado? Escada rolante. Aqui vale revisitar os anos 1980, quando a “rodoviária nova” aposentou o “Carandiru” de Cascavel, a “rodoviária velha”.

A década de 1980 chegava ao fim quando as lojas Riachuelo, no centro da cidade, anunciaram a grande novidade para uma Cascavel de escassos atrativos: escada rolante. Era algo inédito por aqui e muita gente foi ver para crer. Nem todos os curiosos reuniram coragem suficiente para subir naquela “lagarta” que ligava o térreo ao mezanino percorrendo apenas alguns metros. Mas era a novidade do ano.

Em tempo: atente, expressões como “rodoviária velha”, “rodoviária nova”, “CCTT” e “lotação”, entre outras, são reveladoras da idade do falante.

Por Jairo Eduardo. Ele é jornalista, editor do Pitoco e assina essa coluna semanalmente no Jornal O Presente

pitoco@pitoco.com.br

Copyright © 2017 O Presente