Copagril
Esportes Briga

Grupo de torcedores destrói carro e fere três pessoas após jogo do Athletico-PR

Foto: Reprodução/RPC TV

 

Um grupo de torcedores destruiu um carro de um motorista da Uber e agrediu três pessoas na noite de sábado (17), após o jogo entre Athletico-PR e Atlético-MG pelo Campeonato Brasileiro, na Arena da Baixada, em Curitiba. De acordo com a Polícia Militar (PM), ninguém foi preso.

Na tarde de sábado, também foram registrados outros casos envolvendo torcedores. Um vídeo mostra um rapaz com a camisa do Athletico sendo agredido e em outra situação um homem foi preso e um adolescente apreendido.

Casa do Eletricista ESCAVAÇÕES

Segundo a polícia, o caso dos três feridos foi na Rua Alferes Ângelo Sampaio, no Água Verde, próximo ao estádio. Eles disseram que o grupo tinha ao menos 30 pessoas. No carro, estavam o motorista, que foi arrancado do veículo, um homem com a camiseta do Atlético-MG e a namorada dele. Os três tiveram ferimentos leves, mas chegaram a ser levados para o Hospital do Trabalhador.

De acordo com os feridos, embora estivessem camuflados, os agressores eram torcedores do Athletico. “Falaram pra eu tirar a camisa (do Atlético-MG), entreguei pra eles e mesmo assim continuei sendo agredido”, afirma uma pessoa que não foi identificada.

Segundo ele, os agressores usaram pedaços de pau, pedras e também deram socos no casal dentro do carro e no motorista do lado de fora do veículo. Porto sofreu ferimentos principalmente na cabeça, no pescoço e em um dedo.

“Roubaram meu celular e nosso dinheiro. Tinham uns outros torcedores do Athletico que tentaram pacificar e salvaram a gente. Acho que queriam matar”, conta o torcedor do clube mineiro.

Uma engenheira de produção conta que é torcedora do Cruzeiro e apenas foi acompanhar o namorado. Ela sofreu diversas escoriações por causa das agressões.

“Fiquei muito abalada. Para mim futebol acabou. Não quero mais pisar num estádio. Não quero saber de futebol, infelizmente. Não dá pra se arriscar a passar uma situação dessa de novo”, desabafa.

O motorista diz que comprou o carro há duas semanas – período que também trabalha como motorista por aplicativo. “O vidro estava fechado, não teve provocação. O casal estava escolhendo uma pizza”, conta. Ele afirma que vai procurar outra fonte de renda.

O casal, que mora em Curitiba há um ano e meio, prestou depoimento à Polícia Civil. Na segunda-feira (19), eles passarão por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML).

Um vídeo registrado por uma câmera de segurança no entorno da Arena da Baixada mostra um torcedor do Athletico sendo agredido por um grupo de torcedores do Atlético-MG, antes da partida. O vídeo não é exibido por questões legais.

De acordo com o delegado da Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos (Demafe), Clóvis Galvão Gomes, uma investigação foi aberta para identificar os envolvidos nesse caso. Até a publicação desta reportagem, ninguém tinha sido preso.

 

DETIDOS

Um homem foi preso e um adolescente apreendido por causa de uma briga entre torcedores do Athletico e do Atlético-MG antes do jogo, na tarde de sábado, segundo a PM. A confusão foi na Rua Coronel Dulcídio, no Bairro Água Verde, em Curitiba, perto da Arena da Baixada.

De acordo com a polícia, cerca de 20 a 30 torcedores se envolveram na briga, por volta das 18 horas – a partida começou às 19 horas. O esquadrão de choque da cavalaria da PM foi quem dispersou o grupo.

Segundo a polícia, o homem e o adolescente são torcedores do Athletico e foram encaminhados à Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos (Demafe).

Um deles sofreu um ferimento no braço depois de levar uma pedrada. Até a publicação desta reportagem, a PM não havia informado qual dos dois ficou ferido.

O delegado da Demafe afirma que o homem assinou um termo circunstanciado por provocação de tumulto e o adolescente um procedimento especial. Depois, o menor de idade foi encaminhado para a Delegacia do Adolescente. Eles já foram liberados.

Durante a briga, outra pessoa também ficou ferida e precisou ser encaminhada pelo Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) ao Hospital Universitário Evangélico Mackenzie.

“Não existe mais impunidade no futebol paranaense. Se aprontarem será tomada a providência. Vai para a Justiça e, fatalmente, sai a condenação para que responda a pena aplicada pelo juiz”, disse Gomes.

 

BRIGA

As brigas aconteceram no primeiro jogo após o Athletico anunciar o fim da autointitulada “torcida humana”, que acabou com o setor de visitante no estádio e impediu a entrada de torcedores com vestimentas dos times adversários.

A medida foi adotada durante 15 meses, e os únicos jogos a receber torcida adversária no período foram as da Sul-Americana, Recopa e Libertadores, que são organizadas pela Conmebol e que determina a presença dos torcedores.

 

EMPRESA

Em nota, a Uber lamenta que motoristas parceiros sejam alvo da violência urbana “que permeia nossa sociedade”.

“Os parceiros contam com um número de telefone 0800 para registrar e solicitar apoio da Uber depois que tiverem comunicado incidentes às autoridades e estiverem em segurança – por exemplo, no caso da necessidade de acionar o Seguro APP para acidentes pessoais que cobre todas as viagens”, diz a empresa.

 

Com RPC TV

TOPO