Copagril – Sou agro com orgulho
Municípios Boletim de segunda-feira

Taxa de ocupação em leitos de UTI/Covid na Macrorregional Oeste está em 99,52%

(Foto: Divulgação)
O pior momento da pandemia. Assim foi classificado o momento atual pelo secretário de Saúde de Cascavel, Thiago Stefanelo. Segundo ele, a situação é muito preocupante e, acima de tudo, o isolamento social é fundamental. O motivo é a falta de leitos, tanto de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) quanto de enfermaria específicas para o coronavírus.

De acordo com o mapa de ocupação de toda área de abrangência da macrorregional Oeste – que engloba Oeste e Sudoeste do Paraná -, a taxa em leitos de UTI está em 99,52% e de enfermaria em 80%. Em relação a vagas pediátricas os dois leitos disponíveis de UTI em Pato Branco estão ocupados e dos dois leitos de enfermaria, apenas um está disponível.

Além da total ocupação dos leitos, onde em Palmas por exemplo a taxa de ocupação está em 130%, a preocupação ainda maior é de 28 pessoas que aguardam leito de UTI na macrorregional; destaque para a 10ª Regional de Saúde de Cascavel, onde 19 pessoas precisam ser transferidas para UTI e 14 em enfermaria. Na regional de Francisco Beltrão cinco pacientes esperam leitos de UTI e sete de enfermaria; a regional de Toledo precisa de mais duas vagas de UTI e 18 de enfermaria; em Pato Branco e Foz do Iguaçu é necessário pelo menos uma vaga em cada de UTI e cinco vagas de enfermaria em Foz e mais quatro em Pato Branco.

Especificamente em Cascavel, até as 09 horas desta segunda-feira (22), havia um leito de UTI no Hospital Universitário e três no Hospital do Coração Nossa Senhora da Salete.

Confira a seguir a situação das unidades hospitalares nas cinco Regionais de Saúde que compõe a Macro Região Oeste:

Com Preto no Branco

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

TOPO