Brincando na Praça 2019
Paraná Prova Paraná

Prova para avaliar nível de aprendizado na rede pública do Paraná é aplicada com erros

Cadernos de provas tinham erros em enunciados, de digitação e até falhas na impressão; erratas foram feitas no momento da aplicação das provas em todo o estado ontem (11) (Foto: Reprodução/RPC)

A segunda etapa da Prova Paraná, criada pelo governo estadual para avaliar o nível de aprendizado nas escolas da rede pública, foi aplicada nesta terça-feira (11) com erros em enunciados, de digitação e até falhas na impressão.

Em uma questão de matemática, o cálculo é pedido em metros, mas as marcações estavam todas em centímetros. Em outro exemplo, a dica para os alunos encontrarem as respostas corretas está errada. A linha marcada é a 11, enquanto é na 18 que está a resposta.

Em uma questão de matemática, o cálculo é pedido em metros, mas as marcações estavam todas em centímetros — Foto: RPC/Reprodução

Em uma questão de matemática, o cálculo é pedido em metros, mas as marcações estavam todas em centímetros (Foto: RPC/Reprodução)

Erratas nos cadernos de prova foram encaminhadas para as escolas na segunda-feira (10), segundo o diretor de colégio em Maringá. Mas até nas erratas havia erros de concordância, por exemplo.

“A gente foi surpreendido com essas erratas. Reuni a equipe pedagógica para nos organizarmos da melhor forma possível porque a aplicação da prova iria ocorrer. Tivemos problemas, houve reclamações, mas os professores foram compreensivos”, afirma o diretor.

O diretor, no entanto, admite que os erros possam prejudicar o desempenho e resultado dos alunos na avaliação. “Tentamos fazer da melhor forma possível [as correções]”, diz.

Erratas nos cadernos da Prova Paraná foram encaminhadas para as escolas na segunda-feira (10) — Foto: RPC/Reprodução

Erratas nos cadernos da Prova Paraná foram encaminhadas para as escolas na segunda-feira (10) (Foto: RPC/Reprodução)

Diante dos problemas, os núcleos regionais vão elaborar relatórios que serão enviados à Superintendência da Secretaria Estadual de Educação na tentativa de zerar as falhas para a próxima etapa da avaliação, marcada para setembro. A primeira ocorreu em março.

“Esperamos que isso não venha ocorrer novamente. Mas precisamos parabenizar com notoriedade que as equipes diretivas das escolas conseguiram resolver isso de forma muito profícua”, afirma a coordenadora pedagógica do Núcleo Regional de Educação de Maringá, Gabriela de Angelis Barros.

 

Com RPC Maringá e G1 PR 

TOPO