Copagril – Compras no Site
Geral

Aulas de Educação Física deixam a desejar

Apesar da Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica ser um conjunto de atividades f iacute;sicas n atilde;o-competitivas e a ci ecirc;ncia que fundamenta a correta pr aacute;tica das mesmas, no dia-a-dia das escolas a disciplina pouco tem de m eacute;todo e muitas vezes se resume agrave; pr aacute;tica de esportes que, sem orienta ccedil; atilde;o, acabam adquirindo car aacute;ter competitivo e excludente.
A postura de alguns professores de simplesmente ldquo;largar rdquo; a bola na m atilde;o dos alunos pode ter reflexos negativos no desenvolvimento de crian ccedil;as e adolescentes; e na vis atilde;o que se tem do professor da disciplina. Por esta raz atilde;o, a pr aacute;tica dos referidos acaba sendo alvo de cr iacute;ticas.
De acordo com o mestre em Educa ccedil; atilde;o e em Educa ccedil; atilde;o Motora da Universidade Estadual do Oeste do Paran aacute;, campus de Marechal C acirc;ndido Rondon, In aacute;cio Brandl Neto, a pr aacute;tica de atividades sem uma orienta ccedil; atilde;o profissional correta pode resultar em preju iacute;zos para o aluno. ldquo;A pr aacute;tica incorreta pode acarretar consequ ecirc;ncias tanto f iacute;sicas como psicol oacute;gicas e sociais. Se o aluno pratica uma atividade de forma errada est aacute; exposto a riscos como um deslocamento oacute;sseo, por exemplo, ou mesmo pode haver a inibi ccedil; atilde;o do seu crescimento rdquo;, explica.
Segundo o docente, na escola, a pr aacute;tica de esportes n atilde;o deve ser formal, mas poss iacute;vel, j aacute; que deve considerar o aspecto heterog ecirc;neo das turmas. ldquo;Preconiza-se que as aulas devem ser para todos, com respeito ao aluno e suas diferen ccedil;as, bem como aplicando a coopera ccedil; atilde;o rdquo;, enfatiza.
No ambiente escolar, as aulas de Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica deveriam ser voltadas para a discuss atilde;o das atividades f iacute;sicas e esportes. ldquo;O professor deve conduzir a discuss atilde;o sobre os esportes, resgatar a hist oacute;ria deles, a cr iacute;tica social, debater as regras, propor aos alunos uma reflex atilde;o sobre os esportes, questionar, democratizar. A ideia de desenvolver somente a pr aacute;tica deveria ser banida da Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica nas escolas rdquo;, opina.

Comprometimento
Do ponto de vista de In aacute;cio, nos casos em que os professores se limitam a oferecer bolas para a pr aacute;tica de futsal e voleibol, falta comprometimento da parte dos profissionais. ldquo;Em muitos casos isso ocorre em raz atilde;o do comodismo e falta de interesse dos professores, j aacute; que existem muitas formas de atualizar-se e buscar novas propostas rdquo;, afirma.
A partir dos est aacute;gios acad ecirc;micos nas escolas, o profissional tem acompanhado e constatado que muitos professores se apoiam nos anos de magist eacute;rio para assegurarem sua efici ecirc;ncia. ldquo;Experi ecirc;ncia n atilde;o eacute; tempo de servi ccedil;o, mas sim pesquisa, experimenta ccedil; atilde;o. Fazendo sempre do mesmo jeito n atilde;o se adquire experi ecirc;ncia rdquo;, salienta.
Para o docente, n atilde;o proporcionar ao aluno adquirir alguma habilidade e conhecimento eacute; falta de responsabilidade social.

Casa do Eletricista – GENCO

Bases
Enquanto antes a Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica se baseava principalmente no ensino e pr aacute;tica de esportes, a partir da d eacute;cada de 90 surgiram novas abordagens, relata o professor universit aacute;rio. ldquo;As novas abordagens passaram a incluir o ensino de dan ccedil;a, gin aacute;stica, jogos e lutas que possuem filosofia, como capoeira e jud ocirc;. Essas mudan ccedil;as pedag oacute;gicas est atilde;o em processo de incorpora ccedil; atilde;o na pr aacute;tica docente, mas temos ci ecirc;ncia de que eacute; um processo de longo prazo rdquo;, declara.
Os novos conceitos s atilde;o ministrados durante a forma ccedil; atilde;o dos professores de Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica desde a referida d eacute;cada. Ao longo dos anos, a expectativa eacute; de que haja uma melhoria gradativa nas aulas de Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica.
Segundo In aacute;cio, j aacute; existem condi ccedil; otilde;es mais favor aacute;veis para a atualiza ccedil; atilde;o de professores, como eacute; o caso do Programa de Desenvolvimento da Educa ccedil; atilde;o (PDE), do governo federal, por meio do qual alguns deles est atilde;o voltando ao meio acad ecirc;mico para o desenvolvimento de projetos. ldquo;Os governos est atilde;o investindo em melhorias, est atilde;o acontecendo a ccedil; otilde;es de mudan ccedil;a e com isso espera-se que haja melhoria na forma de interven ccedil; atilde;o dos professores rdquo;, conclui.

Problema eacute; reflexo de um conjunto de fatores
O professor de Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica do Col eacute;gio Ant ocirc;nio Maximiliano Ceretta, Marco J uacute;nior Xavier, admite que existem professores da disciplina que s atilde;o relapsos. Segundo ele, v aacute;rios fatores envolvem a problem aacute;tica da falta de um maior comprometimento destes profissionais. Dentre eles est atilde;o a falta de interesse dos alunos em atividades diferenciadas, de um maior envolvimento dos pais, baixa carga hor aacute;ria de est aacute;gio, falta de uma continuidade no ensino de 1 ordf; a 4 ordf; s eacute;rie, 5 ordf; a 8 ordf; e Ensino M eacute;dio, falta de condi ccedil; otilde;es (tempo, financeiras) de atualiza ccedil; atilde;o docente dentre outros.
Segundo o professor, atualmente as atividades f iacute;sicas ldquo;disputam rdquo; o interesse de crian ccedil;as e adolescentes com computadores, MP4, videogames, dentre outras tecnologias. ldquo; Eacute; dif iacute;cil competir com essas tecnologias e percebemos que h aacute; muito desinteresse na pr aacute;tica de atividades f iacute;sicas da parte dos alunos. Com isso, ocorre o sedentarismo, o h aacute;bito de dormir tarde e a obesidade. Existem pesquisas que apontam que em Marechal Rondon cerca de 60% dos adolescentes est atilde;o acima do peso. Este eacute; um dado preocupante rdquo;, avalia, acrescentando que faltam est iacute;mulos dos pais para a pr aacute;tica de atividades f iacute;sicas.

D eacute;ficit
Marco J uacute;nior ainda aponta que tem observado nos alunos a falta de habilidade motora condizente com a respectiva idade, o que pode ser a consequ ecirc;ncia de uma vida menos ativa. ldquo;H aacute; alguns anos as crian ccedil;as brincavam mais em movimento e com isso adquiriam mais facilmente a habilidade motora. Hoje isso n atilde;o acontece e com isso temos que trabalhar em aula atividades que seriam para uma faixa et aacute;ria menor, para buscar aprimorar essas habilidades rdquo;, menciona.
Ele acredita que esse problema poderia ser amenizado com um trabalho sequencial desde as s eacute;ries iniciais at eacute; o Ensino M eacute;dio. ldquo;Existe necessidade de um replanejamento de atividades nas s eacute;ries iniciais, para que o trabalho possa ser paralelo em cada etapa de ensino rdquo;, sugere.
Segundo Marco J uacute;nior, as aulas de futsal e voleibol, que ldquo;imperam rdquo; nos col eacute;gios, s atilde;o oferecidas, em muitos casos, em raz atilde;o de exigirem um baixo grau de habilidades e racioc iacute;nio, justamente por n atilde;o terem desenvolvido nas s eacute;ries anteriores.
Proporcionar aulas de dan ccedil;a ou lutas aos alunos, afirma, requer um conhecimento maior do que o oferecido durante a forma ccedil; atilde;o acad ecirc;mica, acredita o professor. ldquo; Agrave;s vezes a faculdade n atilde;o prepara de forma suficiente em rela ccedil; atilde;o agrave; pr aacute;tica. At eacute; mesmo a carga hor aacute;ria de est aacute;gio deveria ser estendida, pois o tempo de reg ecirc;ncia n atilde;o eacute; suficiente para o estagi aacute;rio se inteirar da realidade escolar rdquo;, opina.

Seriedade
Para Marco J uacute;nior, tanto no ambiente escolar como na sociedade falta uma valoriza ccedil; atilde;o maior do professor de Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica, o que tem sido conse-qu ecirc;ncia, tamb eacute;m, do mau h aacute;bito de alguns profissionais. ldquo;Em muitos casos faltam condi ccedil; otilde;es ao professor de buscar aprimoramento, tanto pela carga hor aacute;ria de trabalho, como por quest atilde;o financeira. Por outro lado, tamb eacute;m existem os casos de falta de empenho para conhecer e desenvolver atividades diferenciadas rdquo;, salienta.
Outro fator apontado por ele eacute; a falta de suporte da escola para o profissional. ldquo;A escola tamb eacute;m precisa cobrar do professor sua melhor forma de trabalho e o professor precisa estar imbu iacute;do na causa rdquo;, acredita. O fato de alguns dos professores terem outros compromissos profissionais tamb eacute;m interfere na qualidade das aulas. ldquo;Alguns t ecirc;m a aula como apenas um emprego e a educa ccedil; atilde;o perde com isso rdquo;, avalia.

Qualidade
Mesmo com todas as dificuldades, Marco J uacute;nior ressalta que eacute; poss iacute;vel desenvolver um trabalho com qualidade na Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica. ldquo;N oacute;s temos livros, oferecemos x eacute;rox e usamos o caderno para as aulas de Educa ccedil; atilde;o F iacute;sica. Fazemos discuss otilde;es e depois partimos para a pr aacute;tica rdquo;, exp otilde;e.
Por meio das aulas, o professor busca cativar os alunos para as atividades f iacute;sicas, bem como trabalhar a recrea ccedil; atilde;o e a socializa ccedil; atilde;o, sob o aspecto da democracia.
Na vis atilde;o de Marco J uacute;nior, enquanto os professores que tiveram forma ccedil; atilde;o anterior agrave; d eacute;cada de 90 caminham para a aposentadoria, outros est atilde;o entrando no universo escolar, o que gera uma perspectiva de renova ccedil; atilde;o das metodologias de ensino.

lt;galeria / gt;

TOPO