Geral

Chuva forte causa estragos e transtornos em várias cidades do Paraná

Os intensos temporais que caíram no Paraná nas últimas horas causaram uma série de estragos em várias cidades. Boa parte dos problemas começaram a aparecer neste sábado (04). Entre quedas de árvores e alagamentos, por exemplo, há pelo menos duas rodovias interditadas no Estado.

Uma delas é a BR-376, no trecho que liga Curitiba a Ponta Grossa. A pista no sentido interior foi totalmente bloqueada, depois que o Rio Ronda transbordou. Além da água, há muita sujeira em cima da rodovia.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Na PR-445, próximo ao km 27, em Tamarana, no norte do Paraná, uma árvore caiu por volta das 15h deste sábado, interditando totalmente a pista. O Corpo de Bombeiros ainda trabalhava no local às 16h20 para a retirada da árvore, um eucalipto.

De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), os carros estão desviando por dentro de um posto de combustíveis. Em Cascavel uma ponte caiu e interditou uma rua no bairro Claudete. Nos últimos quatro dias, já choveu 66% do que era esperado para todo o mês de novembro.

A chuva com ventos fortes que atingiu Maringá, no norte, no início da tarde deste sábado deixou ao menos nove árvores caídas. Segundo balanço parcial divulgado pela Defesa Civil municipal por volta das 15h30. Ninguém ficou ferido.

Em Marialva, também no norte do Paraná, a Defesa Civil do município registrou ao menos 20 quedas de árvore e 19 ocorrências de destelhamento. A chuva com vento forte também atingiu a cidade por volta das 14 horas deste sábado.

Um dos bairros mais afetados foi a Vila Antônia, mas, de acordo com a Defesa Civil, o temporal causou estragos por toda a cidade. Ninguém ficou ferido. Em uma das ocorrências uma árvore caiu sobre um carro, no Centro da cidade. Assista no vídeo abaixo o trabalho de retirada da árvore.

Já em Foz do Iguaçu, a Usina Hidrelétrica de Itaipu precisou abrir o vertedouro para escoar o excesso de água no reservatório. Neste sábado, a vazão atingiu mais de 2,4 mil metros cúbicos de água por segundo, o que equivale ao dobro do volume normal das Cataratas do Iguaçu.

Até a última atualização desta reportagem, a Defesa Civil estadual ainda não tinha feito um balanço sobre os estragos provocados pela chuva.

 

RPC TV

TOPO