Ford Ranger e Ecosport Set/2020
Copagril – Compras no Site
Geral

Duplicação de trechos da BR-277 vai custar R$ 110 mi

Os projetos já estão prontos e a Ecocataratas, concessionária do Lote 3 do Anel de Integração Rodoviário, deverá iniciar em breve as obras de duplicação de mais dois trechos da BR-277. São cinco quilômetros de Matelândia em direção ao distrito de Agrocafeeira e nove do Trevo Cataratas em direção à Ferroeste, em Cascavel.

As obras vão ser executadas em duas frentes e resultam de anúncio feito recentemente pelo governador Beto Richa. Como boa parte desses trechos será em áreas urbanas, o valor estimado é de R$ 110 milhões, informou na noite de quinta-feira durante reunião com empresários, na Acic, o superintendente da concessionária, Jeancarlo Mezzomo.

Casa do Eletricista – TORNEIRA PINGANDO

A duplicação de outro trecho da BR-277, entre Medianeira e Matelândia, foi entregue no início de julho e custou R$ 50 milhões. Essa obra, a exemplo da duplicação dos dois futuros trechos, são consta entre as obrigações contratuais, por isso técnicos da empresa e do governo estudam a melhor forma de adequar a questão.

Caso nenhum acordo saia, o que é improvável, em dezembro a concessionária, estará autorizada a acrescer ao valor das tarifas 3,8%, informou o diretor da Ecocataratas para a região Sul, Evandro Viana. Um dos principais questionamentos dos empresários presentes foi quanto à possibilidade de incluir mais obras e de baixar a tarifa, tema que está em estudos.

Utilizando como referência o ano de 2012, Mezzomo informou que a Ecocataratas investiu R$ 75,7 milhões na estrutura da rodovia (restaurações, pavimentação e equipamentos). Também foram feitas melhorias em revitalizações, sinalização, implantação de defensas e ações de segurança.

A soma destinada à operação do trecho concessionado foi de R$ 69,3 milhões. Em impostos, apenas no exercício de 2012, foram recolhidos R$ 19 milhões, basicamente ISSQN. Cascavel recebeu naquele ano R$ 1,4 milhão e na soma histórica de cobrança do pedágio o repasse atinge os R$ 11,6 milhões. O valor repassado a cada cidade cortada pela BR é relativo a quanto de rodovia ela tem em seu território.

TOPO