Marechal

Copagril reforça trabalho de conscientização e prevenção à dengue

Além de transmitir a dengue, o mosquito Aedes aegypti também é transmissor de chikungunya e zika vírus, doenças que a partir de uma simples picada, geram significativas perdas, de bem-estar, para as pessoas que são infectadas pelo vírus e sofrem diversos sintomas, de produtividade na empresa, pois os funcionários ficam afastados por um período e também gastos do governo com assistência ambulatorial e hospitalar. Diante disso, a Cooperativa Agroindustrial Copagril já está há mais de três meses dando ênfase ao trabalho de conscientização de seus funcionários sobre a importância de adotar uma postura de prevenção ao mosquito, mantendo vigilância sobre locais e objetos que possam se tornar criadouros do Aedes aegypti, transmissor das doenças.

Para reforçar ainda mais o trabalho de combate ao mosquito, a Copagril realizará na próxima terça-feira (05) quatro palestras para seus funcionários, em que os palestrantes Sigmar Sérgio Radke e Rosemeri Rodrigues da Rosa abordarão temas como cuidados para evitar a dengue, além de enfatizar a importância de se combater o mosquito transmissor e como fazer este combate de forma eficiente.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

Dados

Mesmo com todos os trabalhos de conscientização, segundo dados da Secretaria da Saúde do Estado do Paraná, de agosto de 2017 até 21 de novembro, o Paraná registrou 191 casos de dengue. Houve dois registros de chikungunya e não foi registrado nenhum caso de zika no período.

Até a última terça-feira (28), 92% dos municípios do Estado realizaram o Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) para os meses de outubro e novembro de 2017. O objetivo é apresentar o risco de transmissão dessas doenças devido à presença do vetor. O índice é resultado da comparação entre a quantidade de imóveis visitados pelos agentes de saúde e a quantidade de focos com larvas do mosquito encontrados nessas visitas. Dos 368 municípios que realizaram o LIRAa, 58% apresentaram índices menores que 1% (231 municípios), 29% ficaram entre 1 e 3,99% (117 municípios), e 5% tiveram resultados acima de 4% (20 municípios).

O resultado abaixo de 1% é considerado fora de perigo (menos de uma casa infestada para cada 100 pesquisadas), de 1 a 3,9% é estado de alerta (de uma a três casas infestadas para cada 100 pesquisadas), e acima de 4% há risco de surto e demanda ações emergenciais (quatro ou mais casas infestadas para cada 100 pesquisadas).

Entre os municípios com índice acima de quatro que pertencem à área de ação da Copagril estão: Santa Helena, São José das Palmeiras e Guaíra.

Cuidados

A melhor forma de prevenção às doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti é eliminando os locais e objetos que possam acumular água e se tornarem criadouros do mosquito, por isso a recomendação é de não deixar focos de água parada e organizar uma rotina de limpeza semanal das residências e locais de trabalho. Combater o mosquito Aedes aegypti é dever de todos, afinal, ele transmite doenças graves que podem matar.

Com informações Assessoria

TOPO