Marechal

João Marcos quer força-tarefa para combater a dengue em Marechal Rondon

Divulgação

Quem descumprir a legislação deve ser multado pela municipalidade, defende vereador

Foi aprovada na sessão de ontem (09) da Câmara de Marechal CândidoRondon indicação de autoria do vereador presidente, João Marcos Gomes. Ele propõe à administração municipal que crie uma força-tarefa para recolher os entulhos depositados em ruas, passeios públicos e terrenos localizados na zona urbana rondonense, além de tomar providências para notificar e até mesmo multar os proprietários de imóveis que descartam materiais diversos em locais inadequados.

A situação é preocupante. É grande o número de locais que têm entulhos, onde em muitos casos há acúmulo de água, o que contribui na proliferação do mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti, ressalta o vereador presidente.  Segundo João Marcos, após a limpeza de todas as áreas, é preciso notificar os proprietários dos respectivos imóveis para que zelem pela limpeza dos terrenos. Quem descumprir a legislação deve ser multado pela municipalidade, defende.

De outra parte, João Marcos apresentou outras duas indicações voltadas ao setor de educação. Uma solicitação é para que a Prefeitura faça uma completa revisão de todas as carteiras e cadeiras da Escola Municipal Jean Piaget, pois muitas estão em péssimo estado de conservação, quebradas, tortas e riscadas, dificultando e até mesmo impedindo a correta utilização por parte dos alunos.

Casa do Eletricista – NÃO PAGUE AR

Outra indicação é para que a Prefeitura instale um abrigo coberto e uma travessia elevada junto à Escola Municipal Criança Feliz. O objetivo é garantir melhores condições e segurança para dezenas de alunos rondonenses que utilizam o transporte escolar.

A sugestão é que tanto o abrigo quanto a travessia elevada sejam instalados na rua lateral do referido educandário, na Rua Sergipe. Este é um pedido de diversos pais e professores e por isso esperamos que o Executivo Municipal atenda o presente pleito com a maior brevidade possível, declara João Marcos.

TOPO