Brincando na Praça 2019
Paraná Possibilidade de ascensão

Aspirante do BPFron enaltece concurso para ingresso no Curso de Formação de Oficiais

Aspirante a oficial Erioberto Alves Joeckel, do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron): “Os oficiais têm uma carreira brilhante pela frente. Muitos daqueles que saem de regiões do interior do Paraná têm a possibilidade de após formados retornarem à região para trabalhar, o que é bastante positivo” (Foto: Joni Lang/OP)

Seguir carreira militar é o sonho de muitos brasileiros. Além da estabilidade profissional, a atividade oportuniza servir em vários locais do Estado do Paraná, bem como a possibilidade de ascensão profissional.

Fora dos tradicionais vestibulares, o ingresso à Polícia Militar é possibilitado por meio do Curso de Formação de Oficiais (CFO) da Polícia Militar, que neste mês abriu inscrições ao concurso. São 90 vagas para cadete policial militar (nove destinadas a candidatos afrodescendentes) e 20 vagas para cadete bombeiro militar (duas destinadas a candidatos afrodescendentes).

Casa do Eletricista ESCAVAÇÕES

O Curso de Formação de Oficiais inicia com o concurso da Universidade Federal do Paraná (UFPR), a partir do qual os candidatos são submetidos a uma prova de múltipla escolha e redação, de caráter classificatório e eliminatório. Depois, os candidatos aprovados serão submetidos às Provas de Habilidades Específicas (PHE) no âmbito da PM-PR e reguladas por edital. As PHE, também de caráter eliminatório, são compostas pelas seguintes fases: Investigação Social (IS), Avaliação Psicológica (AP), Exame da Capacidade Física (ECAFI) e Exame de Sanidade Física (ESAFI).

 

ADAPTAÇÃO

O aspirante a oficial Erioberto Alves Joeckel, que está há cerca de um mês em Marechal Cândido Rondon na 1ª Companhia do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron), explica que no Paraná o curso é realizado na Academia Policial Militar do Guatupê, localizada em São José do Pinhais. “No início do curso há um período de adaptação, tempo em que os cadetes mais antigos têm a possibilidade de interagir com os mais modernos para compreender mais sobre a rotina, com aulas voltadas para a ética da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros”, expõe.

Com duração de três anos em regime de internato, em tempo integral e dedicação exclusiva, o primeiro ano dos cadetes é praticamente todo dentro da Academia Policial Militar do Guatupê.

Aos que desejam seguir carreira como bombeiro militar, Joeckel explica que as aulas são voltadas às matérias exatas, como cálculo e engenharia, além das disciplinas práticas. Já para a carreira de policial militar as matérias são voltadas para a área humana, como direito, direitos humanos, além de técnicas e táticas específicas do curso. “O curso de policial militar será direcionado à ação policial, com questões de abordagem, tiro, táticas e técnicas de confronto. Já o de bombeiro militar é mais voltado à parte de salvamento e primeiros socorros”, detalha.

O aspirante a oficial diz que o foco do CFO é preparar os cadetes para serem futuros gestores da polícia, desempenhando funções de comando. “No período do curso também é realizado um estágio na Companhia Operacional, localizada na Região Metropolitana de Curitiba, com ação em diversas operações, como no Litoral, durante o Carnaval, em jogos de futebol, entre outros”, menciona.

 

ATUAÇÃO

Após a conclusão do CFO, os cadetes são classificados de acordo com o desempenho apresentado nos três anos de formação. A partir desta classificação, a Polícia Militar direciona os cadetes para atuar em diversas regiões do Estado, podendo escolher o local onde desejam atuar de acordo com sua classificação. “Quando eu conclui minha formação, por exemplo, haviam vagas abertas em todo o Paraná e eu escolhi atuar no BPFron, tendo cerca de outros 15 policiais que também vieram para esta área”, expõe.

No caso dos bombeiros militares, Joeckel salienta que os profissionais são designados, não passando pelo processo de escolha para atuar nos batalhões diários ou especializados. “Eu vou ficar cerca de um ano aqui na 1ª Cia do BPFron, que é o período de estágio especial obrigatório. Se concluído com êxito, recebo a carta para me tornar 2º tenente”, comenta.

 

PRAÇAS X OFICIAIS

Dentro da Polícia Militar existem duas possibilidades de formação: praças e oficiais. Os praças, explica Joeckel, ingressam na formação como alunos soldados de segunda classe. Após aprovados, tornam-se soldados e, posteriormente, tomam posse na carreira de cabo, 3º sargento, 2º sargento, 1º sargento até subtenente.

Já para a carreira de oficial, que, como no caso de Joeckel, ingressam no curso de CFO como cadetes, após três anos tornam-se oficiais de formação de tenente. “Após mais um ano é destinado ao cargo de 2º tenente, conclamando a carreira com o passar dos anos, sendo 1º tenente, major, tenente-coronel e coronel”, cita, reforçando que o concurso vigente para o CFO destina-se à formação de oficiais.

Pela abertura de vagas da Polícia Militar seguir um estudo indicando as regiões que demandam dos profissionais, o aspirante a oficial destaca que, após formados, os policiais têm a possibilidade de voltar e atuar em sua região de origem.

 

CURSO DE ALTO NÍVEL

Muitos daqueles que buscam a formação como oficial da Polícia Militar têm como foco a estabilidade profissional e financeira, tendo em vista que, após os três anos de curso, o cadete do 1º ano recebe subsídio no valor de R$ 3.213,61, no 2º ano de R$ 3.599,25 e no 3º ano de R$ 4.139,14. Ao concluir o 3º ano, o cadete é declarado aspirante a oficial, com subsídio no valor de R$ 7.069,95, o qual, após o período de estágio probatório, estará apto a ser promovido ao posto de 2º tenente, com subsídio de R$ 9.544,44.

Para conquistar este objetivo, no entanto, Joeckel considera o CFO um curso de alto nível, com necessidade de o candidato se dedicar integralmente a fim de sair da formação com uma diferença pública. “É uma gama imensa de matérias que temos, como Filosofia, Sociologia, Direito Institucional, Direito Aplicado Penal, Penal Militar, Constitucional e também voltado aos Direitos Humanos. Além disso, há as matérias práticas de Defesa Pessoal, Educação Física, Técnicas e Táticas de Tiro e Técnica de Abordagem Policial”, enaltece.

Para realizar o concurso do CFO, os candidatos interessados devem ter concluído o Ensino Médio, no entanto, há muitos oficiais que já eram formados em outras áreas antes de prestar o concurso para seguir carreira militar, como é o caso de Joeckel. “Eu me formei como técnico em Segurança do Trabalho e, após este curso, prestei o concurso ao CFO, que tem a idade máxima de ingresso de 30 anos para os oficiais”, relata.

 

MULHERES MILITARES

Para as cadetes mulheres, o ingresso no CFO é o mesmo dos homens: processo seletivo com provas de múltipla escolha e redação, de classificatório e eliminatório, além das Provas de Habilidades Específicas (PHE). “A diferença é que durante os três anos de formação as mulheres e os homens ficam em alas separadas, sem manter nenhum contato”, aponta.

Joeckel diz que, tanto para homens quanto mulheres que sonham em seguir carreira militar, ele incentiva a realização do concurso. “Após a formação, os oficiais têm uma carreira brilhante pela frente. Muitos daqueles que saem de regiões do interior do Paraná, como aqui, têm a possibilidade de após formados retornarem à região para trabalhar, o que é bastante positivo”, finaliza o aspirante a oficial.

 

INSCRIÇÕES

Para participar do concurso da PMPR os candidatos devem ler o edital e obedecerem aos pré-requisitos básicos. A inscrição deve ser feita pela internet no www.nc.ufpr.br, mediante o preenchimento do formulário de inscrição, que será consolidada após o pagamento da taxa de inscrição ou após a homologação da isenção dessa taxa (ver critérios no edital).

 

O Presente

TOPO