Paraná

Família de Mercedes relata negligência médica na morte da filha durante parto em Toledo

Um caso envolvendo uma família de Mercedes têm chocado à população. Um bebê morreu durante o parto e teve sua cabeça cortada para poder o corpo ser retirado, evitando que a mãe também fosse a óbito.

O episódio aconteceu no Hospital Bom Jesus de Toledo e envolveu o casal de agricultores Leonardo Kuester e Miglia de Paula.

Casa do Eletricista – Clorador Agosto

A gravidez de Miglia foi acompanhada por um obstetra da Unidade Básica de Saúde de Mercedes, e no dia 30 de outubro, com sangramento, ela foi transferida para o Hospital Bom Jesus pois entrava em trabalho de parto.

A família relatou que por várias vezes solicitou que fosse feita cesariana para o nascimento do bebe, contudo, médicos daquela casa hospitalar, priorizavam o procedimento por parto normal.

Como o sangramento não parou e as dores aumentaram, a mulher foi medicada para facilitar o parto normal, que foi agendado para quarta-feira (02) pela manhã.

O pai, Leonardo, contou que o bebê começou a nascer, a cabeça saiu, mas o resto do corpo entalou, e ele foi a óbito.

Para não perder a mãe, que também corria risco de vida pois o bebe já sem vida estava entalado, os médicos cortaram a cabeça dele, e através de um procedimento cirúrgico conseguiram retirar o resto do corpo.

Posteriormente, os médicos costuraram a cabeça no bebê.

O caso gerou revolta da família que acusa a equipe medica de negligência.

O caso passa a ser investigado pelo setor de epidemiologia da 20ª regional de Saúde.

A Secretaria de Saúde de Mercedes vem acompanhado o caso.

A secretária Arlete Martins manteve contato com a direção do Hospital Bom Jesus de Toledo, que confirmou o fato de que a cabeça do bebê teve que ter sido cortada para que o resto do corpo fosse retirado, e que a mãe também não fosse a óbito.

Ela esclarece que a mulher já saiu de Mercedes em trabalho de parto no dia 30, e que os médicos do Bom Jesus somente revolveram fazer o procedimento três dias depois, diante das reclamações da mãe de muitas dores e de sangramento.

A direção do hospital deverá se manifestar nas próximas horas sobre o caso, que também comoveu todos os funcionários do próprio hospital.

Julia Gabriele Kuester foi sepultada no cemitério de Mercedes no dia de ontem (03).

TOPO