Copagril
Paraná

Silo de fecularia explode um dia depois de ser instalado em Paranavaí

Wilson Del Passo/ RPC Noroeste

Um silo de secagem de fécula de mandioca explodiu em Paranavaí, no noroeste do Paraná, na madrugada desta terça-feira (30). Segundo a proprietária da Fecularia Amidos Bankhardt, Cleia Satim da Silva, a explosão ocorreu em um equipamento que acelerava o processo de secagem.

Esse equipamento era novo, foi instalado na segunda-feira (29). Ainda não sabemos o que pode ter causado a explosão. Somente a perícia vai identificar onde foi o problema, diz Cleia.

Casa do Eletricista ESCAVAÇÕES

A fecularia funciona em três turnos de trabalho. Na hora da explosão oito funcionários trabalhavam em um barracão. Como o silo onde fica o equipamento foi instalado em um espaço separado, os trabalhadores não se feriram e o fogo também não se alastrou para outros locais da empresa.

A Fecularia Amidos Bankhardt recebe 300 toneladas de mandioca por dia e produz 400 toneladas de fécula de mandioca por semana. Com a explosão do silo de secagem, a fábrica ficará fechada nos próximos dois meses.

O nosso trabalho é uma sequência, não temos como processar a mandioca em um local e secar em outro, Assim que processamos a raiz, ela automaticamente vai para a secagem. Com a explosão, a fábrica vai ter que ficar parada até a instalação de um novo silo, explica Cleia Satim da Silva.

Enquanto o novo equipamento não é instalado, a fecularia também não terá como receber a produção de 30 mandiocultores da região que entregam o produto no local, e a indústria avalia a possibilidade de dar férias para os 35 funcionários.

Pedimos que os agricultores que entregam as produções aqui, não colham nos próximos meses porque não teremos como receber. Estamos avaliando também a possibilidade de dar férias para os nossos funcionários nesse período, porque não temos como funcionar, lamenta a proprietária da Fecularia Amido Bankhardt.

TOPO