Copagril – Sou agro com orgulho
Variedades 1960 - 1996

Atemporalidade da obra de Renato Russo confere imortalidade a compositor que versou sobre “a grande fúria do mundo”

(Foto: Divulgação)

♪ ANÁLISE

Se o maior atestado da perenidade da obra de um compositor é a permanência das canções desse artista na memória popular, vale recorrer ao clichê para afirmar que Renato Russo vive.

Casa do Eletricista ROWA

Morto há exatos 25 anos, Renato Manfredini Junior (27 de março de 1960 – 11 de outubro de 1996) saiu precocemente de cena com 36 anos de vida e 18 de carreira.

Nied 2021 A

Foi tempo curto demais diante da dimensão do talento do artista, mas tempo suficiente para a construção de obra que conferiu imortalidade a esse cantor e compositor de origem carioca e vivência brasiliense que entrou em cena em 1978, primeiramente como integrante da banda punk Aborto Elétrico.

A propósito, é impressionante a atualidade de uma das composições seminais do cancioneiro de Renato Russo, Que país é este?, música composta em 1978 para o grupo Aborto Elétrico, revivida em shows da Legião Urbana – a banda posterior que, fundada por Russo em 1982, catapultou o artista ao estrelato nacional – e somente gravada em disco em 1987, como música-título de álbum improvisado pela Legião para solucionar impasse criativo.

Além de captar as turbulências da alma humana, Renato Russo soube radiografar momentos sociais e políticos do Brasil. Apresentada no primeiro álbum da Legião Urbana, Geração coca-cola é impiedoso retrato geracional da juventude dos anos 1980. Ele próprio um filho da revolução, Russo se assumiu burguês e fez da obra uma religião particular que angariou devotos Brasil afora.

Se esse cancioneiro continua sendo objeto de culto, a ponto de ainda gerar documentário sobre o artista (a partir do acervo pessoal administrado pelo herdeiro do artista), filmes roteirizados a partir de letras de músicas (o próximo, Eduardo e Mônica, estreia em 2022) e shows (consta que Seu Jorge irá abordar o repertório de Renato em cena), é porque tal cancioneiro tem força atemporal.

Quem um dia irá dizer que não existe razão em tantas canções filosóficas e românticas que pregaram ética nos relacionamentos amorosos, ocupando progressivamente na obra do compositor o lugar de músicas que versavam sobre questões públicas?

Não é à toa que, a partir do quarto álbum da Legião Urbana, As quatro estações (1989), o culto a Renato Russo adquiriu proporções quase messiânicas. Sem menosprezar a contribuição de Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá (parceiros de Renato na criação de muitas músicas da banda), o grande pensador da Legião Urbana foi Renato Russo, catalisador das atenções.

Russo tinha habilidade para radiografar anseios e estados nublados da alma, como fez em Tempo perdido (1986), hit smithiano do segundo álbum da banda, Dois (1986), disco que alçou a obra de Russo a um patamar mais alto com músicas como Índios (1986) e Quase sem querer (1986), canção desde então sempre regravada e creditada também a Dado Villa-Lobos e ao baixista Renato Rocha (1961 – 2015).

Mudaram as estações, a indústria da música e a forma como canções são produzidas e ouvidas. Mas permanece intacto o poder de sedução de melancólica canção introspectiva como Por enquanto (1985), cuja letra pode ser entendida tanto como a exposição do fim de um relacionamento afetivo quanto como a dissolução de um ideal coletivo.

Vento no litoral (1991), tristíssima canção do álbum V (1991), é outro exemplo de salutar ambiguidade que somente reforça o valor da música. Os versos depressivos podem retratar tanto o fim de um amor como o de forte amizade – e foi sob o prisma da fraternidade entre amigos que a música inspirou peça de grande empatia, Aonde está você agora?, escrita em 1994 pela dramaturga Regiana Antonini.

Em suma, Renato Russo vive porque deixou obra pautada pela atemporalidade, embebida em sentimentos universais e emoções reais.

Se Perfeição (1993) ainda é a trilha sonora ideal para apontar a estupidez coletiva de parte da nação, Pais e filhos (1989) é canção que tem atravessado dimensões e fronteiras ao retratar relações familiares abaladas pela grande fúria que move o mundo e o ser humano à procura de amor e paz.

Renato Russo pode não ter explicado essa “grande fúria do mundo”, mas deixou pistas preciosas em letras que resistem sem música, mas que, a reboque de melodias, vem sendo a trilha sonora de sucessivas gerações. Até porque, em qualquer época, sempre haverá jovens perdidos no próprio tempo.

 

Com G1

Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp

Grupo Costa Oeste 2021
TOPO