Copagril
Variedades

Baleia Azul ‘é só o gatilho’: o apelo viral de Felipe Neto sobre as reais causas do suicídio

Reprodução

O nome parece inocente, mas os relatos de um jogo apelidado de Baleia Azul têm preocupado os brasileiros por causa dos casos de suicídio – ou de tentativa de suicídio – supostamente ligados à “brincadeira”. Pelo menos três Estados registraram ocorrências do tipo: Mato Grosso, Minas Gerais e Paraíba.

Casa do Eletricista ESCAVAÇÕES

Segundo relatos, a ideia do jogo, que tem os adolescentes como alvo principal, é lançar 50 desafios aos participantes via mensagens de WhatsApp – muitos deles requereriam automutilação e incentivariam os jovens a se colocar em situação de perigo. O último seria tirar a própria vida.

Diante da “popularidade” do Baleia Azul, o youtuber Felipe Neto, que tem mais de 10 milhões de seguidores no YouTube, gravou um vídeo para alertar as pessoas – mas não sobre o jogo, que ele chama de “consequência”, mas sobre o real problema que leva as pessoas a cometerem suicídio.

“Quero trazer coisas aqui muito importantes sobre o mundo da depressão de fato. Que é muito mais importante do que o jogo. O jogo é um assunto sério, que precisa ser debatido. Mas o que é esse jogo? Vocês acham que o jogo da Baleia Azul é o responsável pela morte desses jovens? Eu não gostaria de acreditar que alguém saudável, estável psicologicamente jogue um jogo desses e termine se matando”, diz Neto no vídeo, que já teve mais de 4,6 milhões de visualizações e quase meio milhão de comentários.

Em entrevista à BBC Brasil, Felipe Neto, diagnosticado com depressão há sete anos, reiterou a importância de se aproveitar o momento em que o tema do suicídio vem à tona para falar sobre suas reais causas.

“A depressão e os transtornos mentais reagem a determinados gatilhos, que podem vir de uma série, de uma conversa, de uma palestra, de um jogo. O que eu acho importante é entender que o jogo em si é consequência, não é causa. Não acho que uma pessoa saudável mentalmente se mate por diversão. Isso é a consequência, e temos que tratar a causa”, afirmou.

TOPO