Copagril
Poder Legislativo Ensino público

Plano de Inovação Tecnológica Educacional tramita na Câmara de Marechal Rondon

(Foto: Cristiano Viteck)

O Poder Executivo de Marechal Cândido Rondon encaminhou para a Câmara de Vereadores o projeto de lei 33/2019, que trata da implantação do Plano Municipal de Inovação Tecnológica Educacional (PMITE), relativo ao período de 2019 a 2022. Ele visa modernizar o ensino público municipal através da integração da educação com a tecnologia, mediante processos de formação continuada do corpo docente, utilização de recursos educacionais digitais e investimentos em infraestrutura.

A proposta do Plano foi lida na sessão de segunda-feira (25) do Poder Legislativo e baixada pelo vereador presidente Claudio Kohler (Claudinho) para análises e pareceres das Comissões Permanentes de Justiça e Redação; Educação, Saúde, Cultura, Bem-Estar Social e Ecologia; e de Finanças, Orçamento de Fiscalização.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

De acordo com o projeto de lei, para o desenvolvimento do PMITE o Município buscará integrar suas ações com a União, o Estado e a sociedade civil, sempre que possível. Da mesma forma, fica determinado que ele deve ser compatível com as diretrizes do Plano Municipal de Educação.

Conforme a secretária da pasta, Márcia Winter, “no sistema educacional atual a interação digital se tornou uma ferramenta poderosa. Mas, não basta o professor ter todos os modernos recursos no seu dia a dia e continuar com a mesma metodologia. Precisa inovar e acompanhar a era digital dos alunos”, defende.

 

DIAGNÓSTICO

Para a elaboração do PMITE, em 2018 a Secretaria de Educação de Marechal Cândido Rondon fez um diagnóstico junto aos diretores e professores da rede municipal sobre o uso de tecnologias educacionais. Deste modo foi possível identificar as carências, demandas e potencialidades.

Entre os dados coletados, foi identificado que em 70,8% das instituições a maioria dos professores acredita que o uso de recursos tecnológicos favorece o aprendizado dos alunos. Contudo, verificou-se que em 79,2% dos educandários não há plano de ação concreto para promover a integração das tecnologias nas práticas pedagógicas e que cada professor se organiza de maneira independente.

Ainda segundo o levantamento da Secretaria Municipal de Educação, os principais obstáculos para a integração de tecnologias às práticas de ensino e aprendizagem são a insuficiência ou obsolescência dos programas de computador, plataformas digitais, aplicativos e materiais digitais para uso na prática de ensino e a falta de computadores, notebooks e tablets para uso nas práticas de ensino.

Através do PMITE o Município pretender corrigir esta realidade.

 

Com assessoria

TOPO