Silvana Nardello Nasihgil

Dependência emocional escraviza. Liberte-se!

Por inúmeras razões, muitas vezes insistimos em uma relação que nunca existiu ou que já não existe mais. O sofrimento emocional e psíquico toma conta da vida e as cores desbotam dando a impressão que nada faz sentido.

Ser rejeitado(a), da forma que for, é um dos piores sentimentos que se pode experimentar. Nos enfraquece, diminui e nos rouba o amor próprio. Então passamos a não olhar mais para nós e a única coisa que sentimos é o desamor e a falta de interesse do outro.

Casa do Eletricista – RETOMA

Ser feliz vai muito além de ser amado(a) ou de ter sido preterido por alguém, porque se alguém não nos percebeu e não compreendeu o sentimento que dedicamos, esse alguém simplesmente não nos merece.

Chega uma hora que é necessário voltarmos para tudo aquilo que somos e nos questionarmos se realmente merecemos só o que o outro nos dá. Sendo assim, é hora de avaliarmos o quão importante é reconhecer que podemos viver sem o outro, ter dignidade com os nossos sentimentos, se autorrespeitar e buscar o equilíbrio emocional, pois só quando nos colocamos em primeiro lugar podemos compreender o que precisamos para sermos felizes.

A dependência emocional e a felicidade focada no amor do outro, sem reciprocidade, nos tira a liberdade de escolhas e nos escraviza, nos tornando vazios e sem direção.

Então, é preciso aprender a olhar para o nosso interior e avaliar aquilo que merecemos, viver para nos fortalecermos, observando as nossas qualidades e focando em objetivos concretos. Quando olhamos para nós, só caberá na nossa vida quem nos enxergar como somos e quem fizer por merecer estar ao nosso lado. Ficamos exigentes porque reconhecemos o nosso valor.

Que a gente aprenda a ficar sozinho(a) quando sentimos que não fazemos a diferença na vida de alguém, porque não dá para insistir quando o espaço oferecido é menor do que aquele que merecemos. Estar com alguém só nos trará bem-estar e felicidade se houver reciprocidade, caso contrário é investimento na destruição do amor próprio e na dependência emocional escravizante.

A vida não para esperando que um dia se possa caber em um lugar que não está destinado a nós. Esse sofrimento é sem razão de ser, porque cada um deveria conhecer a intensidade daquilo que sente e merece.

A gente precisa, às vezes, olhar para dentro de si e se perguntar: essa relação que estou vivendo é a que eu mereço viver?

 

Psicóloga clínica com formação em terapia de casal e familiar (CRP – 08/21393)

silnn.adv@gmail.com

TOPO