Copagril
Elio Migliorança

HÁ MOTIVOS PARA COMEMORAR

Estamos chegando ao final de mais um ano e quando comparamos os fatos positivos e negativos, embora as aparências deem a impressão de que estamos no fundo do poço e rodeados de problemas e frustrações, vamos perceber que temos motivos para comemorações. Mesmo com a economia caindo aos pedaços e a destinação duvidosa dos impostos que pagamos, as institui- ções estão funcionando e bem. Os donos das maiores construtoras do país e parte de suas diretorias estão na cadeia e, junto com eles, um bom número de políticos e funcionários que eram poderosos num passado recente. Como dizia o Al Capone das Américas, agora o mais novo cliente dos delegados da Polícia Federal, onde já comparece não como visitante, mas como depoente, nunca antes na história desse país tantos mandados de busca e apreensão, de condução coercitiva e de prisões foram cumpridos pela Polícia Federal e pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado – Gaeco. Na esfera federal é a Operação Lava Jato e aqui a máfia dos fiscais da Receita Estadual que chantageavam empresários, cobrando propinas para aliviar as pesadas multas que haviam sido aplicadas. Nunca em outros tempos a sociedade participou tão ativamente das discussões e debates sobre a situação política, seja ela nacional, estadual ou municipal. Ponto para o Judiciário, que teve coragem para prender um senador no exercício do mandato junto com o 13º homem mais rico do país. Ver a casa do presidente da Câmara dos Deputados cercada pela polícia, juntamente com a casa de outros políticos e até de dois ministros da República, parecia filme de ficção, mas era a pura realidade. Acabou o tempo em que cadeia era só para ladrão de galinhas. Agora vivemos o rebuliço do sai ou não sai da Dilma, na minha opinião seria ótimo que saísse, pois vai passar os próximos três anos barganhando para manter o poder enquanto a economia do país fica jogada às traças, mas sair Dilma para entregar o governo nas mãos de Michel Temer é trocar seis por meia dúzia, não resolve nada. Melhor mesmo o que já foi sugerido em recente artigo neste jornal: renúncia coletiva de todos os políticos e a convocação de eleições gerais. Alegam alguns que a existência de tantas investigações é porque este governo concedeu total liberdade de investigação à Polícia Federal. Não é verdade. O fato é que verdadeiras quadrilhas foram instaladas em pontos chaves do governo para servir a um projeto de poder. O poder de mobilização da sociedade evoluiu muito, as pessoas perderam o medo de questionar e de cobrar seus direitos, denunciar as injustiças e apontar as contradições daqueles que nos governam. Não somos mais o povo da memória curta que podia ser manipulado com o discurso fácil e a mentira da promessa não cumprida. Só não posso comemorar ter que ir de janeiro a maio só para pagar impostos para governos perdulários. Depois de tanto apanhar, estamos conscientes que é obrigação dos governos promoverem o bem-estar e que as obras são direito nosso e não favor do governo de plantão. E tanto quem leu como quem escreveu, estarmos vivos significa que ainda possuímos o dom da vida e o privilégio de celebrar o nascimento de um Deus que nos ensinou a maior das virtudes, o amor, melhor presente a ser partilhado com todos neste Natal do Senhor.

 

* O autor é professor em Nova Santa Rosa

Casa do Eletricista CÂMERAS

miglioranza@opcaonet.com.br

TOPO