Arno Kunzler

A virgem do cabaré

Havia uma moça linda, mas muito linda e admirada por todos.

Ela morava numa casa maravilhosa, onde desfrutava de boas amizades, dinheiro e segurança.

Casa do Eletricista – NÃO PAGUE AR

Não lhe faltava nada.

Todos, indistintamente, lhe admiravam. Onde ia, era aplaudida e tinha lugar de honra.

Os homens ricos e bonitos, todos, queriam namorá-la.

Era mesmo uma princesa admirada e querida por todos.

Um dia um homem que ficou muito rico e poderoso lhe fez uma visita inesperada.

Aquele homem havia comprado um cabaré, onde trabalhavam muitas mulheres lindas que chamavam para aquele lugar os homens mais ricos e bem-sucedidos de todos os lugares.

Essas mulheres ganhavam bastante dinheiro atendendo aqueles homens ricos e poderosos que frequentavam o lugar.

O lugar era muito procurado e todos queriam conhecer aquele homem e aquelas lindas mulheres.

Mas o homem não estava satisfeito com o sucesso e o poder que já havia conquistado. Então, procurou aquela moça virgem, mais linda daquela região o ofereceu-lhe um lugar de honra na casa.

Ele sabia que a moça era virgem e que queria casar virgem. Mas, insistiu e disse para ela largar aquela vida pacata e solitária na casa dos pais e viver novos sonhos.

Todos saberiam que ela era virgem e iriam desejá-la ainda mais. Seria uma verdadeira princesa cortejada por todos.

Poderia ganhar muito dinheiro, beber drinques, conhecer homens que jamais imaginaria estar ao lado.

E assim foi. Ela aceitou o convite e foi morar no cabaré, onde todas as noites haviam festas luxuosas para pessoas muito poderosas.

Aos poucos ela foi percebendo que nem todos os homens eram ricos e poderosos e muitos se chateavam por ela ser virgem e não aceitar aquilo com naturalidade de quem mora num cabaré.

Aquele homem poderoso, dono do cabaré, também se mostrou chateado porque seus clientes reclamavam das atitudes da moça.

Eles queriam mais do que olhar, contemplar, pagar drinques e dançar.

Em determinado momento ela percebeu que o dono do cabaré estava muito chateado porque alguns clientes, sem dinheiro, sem educação e mal cheirosos, tentavam se aproximar da moça virgem e saíam falando mal do seu estabelecimento.

Foi então que o dono do cabaré chamou a linda princesa virgem e disse que assim ela não servia para atender no cabaré. Deveria mudar, deveria ser igual às outras mulheres.

Chocada, ela imediatamente disse que abandonaria o cabaré, demonstrando irritação com o que lhe propusera aquele homem.

O dono do cabaré quis evitar, mas não teve jeito.

Para espanto de todos, ela reuniu as moças da casa e anunciou que iria embora, denunciando que não fora cumprido o prometido.

Voltando para casa, ela percebeu que seu quarto já não era mais seu, o carro e seu motorista já serviam a outros membros da família.

O lugar seguro de antes, agora já não existia.

Teria que sair de casa e procurar trabalho para sobreviver.

Ainda que recebida com respeito e admiração pelos pais, sentiu que o encanto das pessoas ao seu redor e até dos familiares não era mais o mesmo.

Triste e sozinha, começou a perceber que o dono do cabaré estava arrependido por tê-la convidado, que seus clientes que tanto lhe admiravam naquela casa passaram a falar mal. As colegas da casa que ganharam dinheiro com sua simples presença também desdenhavam da princesa.

Acusada de não ter sido uma boa moça dentro casa, de não ter contribuído em nada com as intenções do dono do cabaré, sentiu seu sonho morrer.

Enquanto recebia a solidariedade de muitas pessoas, percebeu que amigos e frequentadores do cabaré estavam tentando desmistificar sua virgindade.

Como ela conhecia o dono e seus amigos, sabia que aquilo vinha deles com o objetivo de destruir sua reputação.

O dono do cabaré era muito rico e poderoso e podia contar com seus amigos leais, mesmo nessas horas.

Assim, a moça que morou no cabaré e manteve a virgindade, agora teria que provar que se manteve fiel aos seus princípios, inclusive dentro do local.

Que não cedeu às tentações, nem do dono do cabaré, nem dos amigos dele que lhe desejavam muito.

Só ela sabe e só ela poderá provar que permaneceu fiel e virgem e que tudo que falam dela é mentira.

Se conseguir, pode ser que as pessoas voltem a aplaudi-la como antes e encontrará pretendentes para um casamento, oferecendo sua virgindade a quem conquistar seu coração.

Todos sabem que para quem morou no cabaré é muito difícil provar virgindade, por isso está diante de uma missão ingrata.

Por outro lado, o dono do cabaré também sabe que para o seu sucesso precisa destruir a reputação da moça, caso contrário, sua casa perderá todo prestígio e ele seu capital e seus amigos.

 

Arno Kunzler é jornalista e diretor do Jornal O Presente e da Editora Amigos da Natureza

arno@opresente.com.br

TOPO