Elio Migliorança

A VOZ DAS VÍTIMAS

Há no Brasil um clamor das vítimas dos erros de sucessivos governos, da incompetência de outros e da roubalheira institucionalizada. Somos as vítimas que pagam todas estas contas, que clamam por um “basta” na corrupção que se instalou neste país, pois descobrimos que as empreiteiras, em conluio com governantes corruptos, surrupiaram bilhões de reais de um dinheiro que é sagrado porque fruto do nosso trabalho, usado para pesados impostos que somos obrigados a pagar. Aumentos abusivos de preços de produtos e serviços são a prova da incompetência do governo. Recordo uma frase do paranaense Afonso Camargo Neto, falecido em 2011, que certa vez afirmou: “muitas obras no Brasil são feitas não pela sua utilidade, mas pela propina que recebe aquele que autorizou a obra”.

A voz das vítimas está se fazendo ouvir através de greves e manifestações Brasil afora. São diferentes categorias profissionais, mas todas têm um objetivo comum: mostrar aos governantes que nossa paciência está no limite, que não somos idiotas e que percebemos estar sendo conduzidos para um abismo de onde será doloroso sair, se é que conseguiremos. Os governantes estão gastando milhões para manipular a opinião pública, fato comprovado pelos valores gastos com propaganda. Governos deveriam ser proibidos de fazer propaganda. No Paraná o governo está encurralado, deputados andaram no camburão da política, o importado secretário da Fazenda disse que os miseráveis R$ 360 mensais são privilégio e não direito, mas não disse nada dos aumentos salariais deles, nem do auxílio-moradia concedido a privilegiados que ganham mais de R$ 20 mil mensais e muitos possuem casa própria. Outra revelação revoltante são os salários de diretores da Petrobras, na casa dos R$ 100 mil mensais, ou então que o delator do esquema de propina da Petrobras chegou a receber R$ 550 mil mensais em propinas atrasadas. E para concluir a análise desta montagem safada e criminosa de assalto ao dinheiro público foi a revelação do esquema montado para “lavar” este dinheiro roubado através de doações legais a partidos políticos. O diretor corrupto, nomeado por um partido político, montava o esquema de propina com a empreiteira e ela fazia com este dinheiro “doações legais” registradas na Justiça Eleitoral, tudo como manda a lei, mas era dinheiro roubado, ou você acha que as empreiteiras são instituições de caridade que ficam doando milhões de reais de graça para a campanha política?

Tudo era um negócio, propinas para conseguir contratos de obras no futuro, desviar parte do dinheiro e com ele alimentar os diretores corruptos, partidos políticos, financiar novas campanhas e, claro, acender uma vela para Deus e outra para o diabo significa fazer doações para todos aqueles que têm chance de se eleger para que a teta da corrupção continue dando leite. A recente prisão em flagrante do prefeito de Prudentópolis (PR) mostra que o poder está contaminado em todos os níveis. Corrupção deve ser declarada crime hediondo.

Eu estou fazendo minha parte, mas você, caro leitor, também precisa agir. Participe das manifestações, denuncie, cobre dos candidatos em quem votou, enfim, se cada um fizer sua parte, temos chance de iniciar um processo de moralização deste país. As gerações futuras agradecerão.

 

* O autor é professor em Nova Santa Rosa

miglioranza@opcaonet.com.br

 

TOPO