Copagril – Sou agro com orgulho
Arno Kunzler

As boas e más notícias

A primeira quinzena de maio iniciou com indicativos interessantes, especialmente para a economia do país.

Casa do Eletricista – Energia Solar

As boas notícias vêm das perspectivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), bem acima do que vinha sendo projetado até pouco tempo atrás.

Além disso, os preços e o abastecimento aos poucos vão se normalizando com a queda da moeda americana, o dólar.

Nied 2021 C

A má notícia disso tudo é que a estabilidade está vindo acompanhada pela necessária e inevitável elevação da taxa de juros.

Definitivamente o governo errou a mão quando baixou a taxa de juros a níveis tão baixos e os manteve baixos e reconheceu o erro tardiamente, quando os preços da maioria dos produtos já estavam acima do patamar desejável.

Agora, a dose do remédio – juros altos – tem que ser maior do que a desejável também para que os preços tendam a recuar ou, na pior das hipóteses, se estabilizar nos patamares elevados.

Os juros altos interferem diretamente no consumo e essa medida, ainda que antipática e politicamente difícil, é necessária, neste momento, sob pena da inflação desestabilizar toda a cadeia produtiva.

Se de fato forem confirmadas as estimativas de crescimento do PIB e a crise energética não inviabilizar esse crescimento, podemos superar a turbulência provocada pela elevação dos preços sem traumas mais profundos.

Com crescimento real, as empresas conseguirão repassar algumas vantagens aos seus funcionários, que perderam poder de compra com a elevação dos preços, especialmente aluguéis, combustíveis, energia elétrica e alimentos.

O Brasil continental vive inúmeras realidades, mas a nossa, especialmente na região Oeste do Paraná, é fortemente influenciada pelo agronegócio, que teve na elevação dos preços um aumento significativo do volume de negócios.

Não somos uma ilha de prosperidade no meio do deserto, mas evidentemente que a nossa realidade não é a realidade do restante do país.

Todavia, é bom reconhecer que estamos dando um salto importante, tanto na valorização da nossa produção primária como na expansão industrial e nos investimentos públicos.

Nunca antes na história desta região houve tantos investimentos públicos e privados em infraestrutura de transportes e de produção.

 

Arno Kunzler é jornalista e diretor do Jornal O Presente e da Editora Amigos

arno@opresente.com.br

TOPO