Arno Kunzler

Crise à vista?

A paralisia mundial para combater o coronavírus pode nos levar a uma crise mundial sem precedentes?

Assusta, evidentemente assusta, mas não deve acontecer o que a nossa imaginação projeta, quando se vê voos proibidos, eventos cancelados, comércios fechados e o direito de ir e vir restrito.

Casa do Eletricista – RETOMA

Não, não pode acontecer o que projetamos em nossa mente, imagina!

Há pouco mais de 30 dias escrevi nesta coluna as razões pelas quais acreditava que Marechal Cândido Rondon e o Oeste especialmente viveriam em 2020, o melhor ano da sua história.

Hoje, ouvindo os noticiários e lendo as preocupações estampadas em todas as mídias, poderia fazer um artigo exatamente prevendo o contrário…

Simplesmente não conseguimos imaginar as consequências disso tudo. Só com o adiamento das Olimpíadas, por exemplo, o que isso provocaria no mundo inteiro em termos de hotelaria, viagens, alimentação, serviços de transmissão e decepções esportivas.

Este é só um evento, talvez o maior a ser realizado este ano, mas imaginemos milhares de eventos esportivos isolados, realizados sem público ou simplesmente cancelados em todos os países.

Humoristas e artistas em casa, jogadores demitidos dos clubes, estádios sem dinheiro para pagar a energia elétrica, casas de shows fechadas.

Aeroportos isolados sem lojas, sem passageiros, sem voos…

É de arrepiar, isso é.

Mas e daí, o que será de nós?

É hora de jogar a toalha e esperar para ver?

Ninguém sabe e, em meio a esse caos, deve ter muita gente encontrando oportunidades de novos negócios e talvez encontrando uma grande chance de ficar rico.

Assim funciona a economia, enquanto uns perdem tudo o que conquistaram, quase que do dia para a noite, outros vão aproveitar o desespero, a incerteza e as novas necessidades para realizar seus sonhos…

Os que apostaram na bolsa, hoje estão muito preocupados, mas os que vão apostar podem ganhar muito dinheiro.

Os que estocaram produtos imaginando ganhar muito mais podem estar perdendo neste momento.

Os que investiram, acreditaram num novo “boom” de desenvolvimento no mundo, podem ter dificuldades para pagar seus financiamentos, especialmente quem ficou devendo em moeda americana.

Mas em compensação, quem comprou ou tem dólares guardados está rindo à toa.

A grande incógnita que pode gerar muitas e diferentes especulações é a questão do mercado agropecuário.

Tivemos meses de forte alta e expectativa muito positiva, produção abundante e preços em alta.

Agora, o povo não vai deixar de comer, mas os chineses terão dinheiro para comprar os produtos aos preços que esperávamos?

Se sim, o Brasil que vende muita comida para o resto do mundo tem mercado garantido e a economia responderá positivamente.

Mas se não, nossa economia vai dar sinais de menor crescimento e muitos investimentos projetados podem ser postergados ou cancelados.

O comércio vendendo menos e a preços menores terá consequências na arrecadação de impostos, no equilíbrio das contas, na geração de empregos e, sobretudo, na renda das pessoas.

E agora, vai dar crise ou é fogo de palha?

Vamos ter que rever nossos negócios ou aproveitar para tirar proveito do susto?

O melhor neste momento é ter calma, cuidar da higiene e continuar trabalhando como se nada estivesse acontecendo.

 

Arno Kunzler é jornalista e diretor do Jornal O Presente e da Editora Amigos da Natureza

arno@opresente.com.br

TOPO