Copagril – Sou agro com orgulho
Arno Kunzler

Identidade protegida

Todos sabem que o jornalismo segue uma legislação bastante rigorosa, especialmente quando divulga matérias policiais.

É importante que não seja permitido que os veículos de comunicação, com seus programas sensacionalistas que haviam no passado, exponham pessoas acusadas, ou condenadas.

Casa do Eletricista – Tubos e Conexões

Temos percebido também que a divulgação de matérias relacionadas a flagrantes normalmente é do interesse das instituições policiais, ou para evitar acusações de maus-tratos ou para promover a ação mesmo.

O que mais acontece é a cobrança de pessoas pela divulgação dos nomes de acusados, normalmente em operações que envolvem investigações policiais, assaltos, roubos, colisões de veículos etc.

De nossa parte, divulgamos os nomes quando isso é seguro e em conformidade com a lei.

Todavia, as pessoas, mesmo acusadas de cometer crimes, têm sua identidade protegida por lei e, via de regra, as instituições policiais se abstêm de divulgar seus nomes, mesmo nos flagrantes.

Ao divulgar nomes de acusados, os veículos de comunicação correm o risco de sofrer processos por dano moral.

A Justiça tem sido generosa com as pessoas lesadas, acusadas ou condenadas em ações criminosas.

Talvez estejamos vivendo um momento oposto ao que estávamos acostumados, quando jornalistas abusavam literalmente dos presos, entrevistando-os de forma agressiva e covarde até, protegidos por policiais.

Hoje é o contrário: o preso está protegido e tem que ser respeitado, inclusive sua identidade; jornalista e policial estão mais vulneráveis.

Se isso é certo ou errado, cada um faz o seu juízo, mas, com certeza, é consequência do período em que os presos eram expostos e execrados publicamente pelo jornalismo insano e desrespeitoso.

Particularmente considero que notícias com informação pela metade, sem citar nomes e relatar fatos, não atendem nossos leitores, mas é o que podemos fazer e o que, em última análise, devemos fazer.

Jornalismo ficou chato? Sim. A sociedade ficou chata? Sim.

 

Arno Kunzler é jornalista e diretor do Jornal O Presente e da Editora Amigos

arno@opresente.com.br

 

 

 

TOPO