Arno Kunzler

Oremos pra não usar

Chama atenção de todos que passam em frente ao Centro de Eventos de Marechal Cândido Rondon, onde foi instalado o hospital de campanha com mais de 70 leitos.

A ideia que se tem é que nesse lugar deveriam circular ambulâncias, o estacionamento deveria estar ocupado com carros de médicos e enfermeiros e a rua completamente isolada.

Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

Só que não. O Centro de Eventos está fechado. Nenhuma pessoa. Nem carros e nem ambulâncias.

Já ouvimos gente dizer que foi um investimento desnecessário, que estão jogando dinheiro fora.

Ora, é como seguro de vida, plano de saúde e outras prevenções que pagamos e não desejamos usar.

Se algum dia passarmos em frente ao Centro de Eventos e tiver muito movimento, podem ter certeza, o coronavírus estará muito perto de nós, de algum familiar, vizinho ou amigo.

Então, continuemos orando para não precisar utilizar a estrutura.

Vamos torcer para que o hospital de campanha seja desativado dentro de alguns meses, intacto e sem um único internado.

Por outro lado, também é preciso fazer uma observação por causa do cancelamento dos dois maiores eventos de Marechal Cândido Rondon.

A Expo Rondon não tinha mesmo nenhuma chance de ser realizada em virtude da ocupação do Centro de Eventos, que em julho ainda deverá estar disponibilizado para o hospital de campanha. Além disso, não devemos ter a liberação de eventos.

A Oktoberfest é um pouco diferente. Talvez até lá o espaço já esteja liberado, talvez, tomara… Todavia, não é um evento de fomento ao comércio local tão importante. Pelo contrário, muitas pessoas até contestam sua realização pela prefeitura.

Então, parece que foi mesmo uma decisão acertada da administração pública, que também contou com a participação de entidades, especialmente a Associação Comercial (Acimacar).

Outro ponto importante a ser observado é o comportamento da comunidade diante da pandemia.

É muito bom percorrer a cidade e ver que o comércio está funcionando, as empresas estão tomando todos os cuidados e as pessoas que ainda eram resistentes, aos poucos vão compreendendo como é importante usar máscara e cuidar com a higiene.

Tirando poucos fatos isolados, o restante parece estar caminhando muito bem.

Se continuarmos assim, podemos mesmo ter uma grande e ótima surpresa ao final e sem vítimas.

Ainda é cedo para prever tamanha vitória, mas é certo que já passamos por uma das etapas: a conscientização.

 

Arno Kunzler é jornalista e diretor do Jornal O Presente e da Editora Amigos da Natureza

arno@opresente.com.br

TOPO