Arno Kunzler

Quem temer….

A quem o presidente interino Michel Temer, deve TEMER? O PT, MST, Senado, STF…?

Talvez nenhum deles mais do que o próprio PMDB. Sim, Temer deve TEMER o PMDB, os expoentes do partido estão atolados na corrupção e denunciados pela Lava Jato.

Para não ver seu governo interino mergulhado em múltiplas crises ao mesmo tempo, Temer deve TEMER os seus próprios correligionários, em primeiro lugar.

Está entre a cruz e a espada.

Se não atender o mínimo de suas expectativas, esses mesmos líderes podem arruinar seu governo de vez.

Se atender, o resto da sua aliança pode desacreditar no novo governo e igualmente cairá em descrédito e sem crédito, em desgraça.

O país exige ordem nas ruas, exige reformas na economia e exige ética na política.

Já não basta os adversários “natos” das reformas, os de sempre que querem viver à custa do Estado sem trabalhar.

Agora vêm os outros interesses, aqueles que também querem viver à custa do Estado sem trabalhar…

Resta-nos acreditar que somos a maioria que se propõe a acreditar em reformas que de fato sejam para melhorar a vida da maioria dos brasileiros.

Especialmente, os que trabalham.

Especialmente, os que pagam impostos.

Especialmente, os que querem levar uma vida limpa, contribuindo para o Brasil e não para alguns interesses escusos.

Se continuarmos privilegiando interesses de gente que não quer produzir para ganhar dinheiro, vamos continuar fadados a novos fracassos econômicos e políticos.

Somos um grande país, uma grande Nação, mas precisamos escolher o caminho que queremos trilhar para construir o bem-estar e as riquezas com as quais sonhamos para sermos grandes entre os grandes.

Entregando nossa política, nossa economia e talvez até nossa Justiça aos que dela somente querem se beneficiar, não teremos êxito.

Será tão difícil encontrar políticos honestos?

A impressão que resta é que são todos corruptos, dependendo somente da oportunidade.

Mas não é esse sentimento que deve tomar conta do Brasil.

Pelo contrário, devemos ser cada vez mais exigentes, cada vez mais radicais e cada vez mais atentos a esse tipo de atitude que não condiz com quem nos representa em qualquer esfera de poder, seja no Legislativo, seja no Executivo, seja no Judiciário.

Queremos e vamos lutar por um Brasil, se não pode ser de todos, que seja o Brasil que a maioria deseja, livre para quem quer trabalhar, para quem quer prosperar, para quem quer crescer.

E tenho certeza que a maioria deseja um país sério, com instituições democráticas que funcionam, representado por gente qualificada e minimamente coerente com aquilo que prega durante as campanhas eleitorais.

Não queremos bandidos, sejam de que partido forem, nos governando…

Não queremos interesses corporativos agindo, sejam de que forma forem, desviando os recursos públicos para suas próprias contas bancárias, sejam em forma de supersalários, superaposentadorias ou corrupção sistêmica, ao invés de atender aos interesses coletivos.

O Brasil não vai mais se calar diante de tantos desmandos e tanta corrupção que vivenciou nesses últimos anos de governo.

Enquanto houver esperança, vamos acreditar!!!

 

 

Jornalista e diretor do Jornal O Presente

arno@opresente.com.br

TOPO