Copagril
Arno Kunzler

Sobre Porto Mendes

 

A impressionante repercussão depois da divulgação do áudio da prefeita de Mercedes, Cleci Loffi, tratando da anexação do distrito rondonense de Porto Mendes ao município de Mercedes não intimidou moradores de Porto Mendes a demonstrar sua insatisfação.

É possível compreender a situação de Porto Mendes e principalmente entender as manifestações de descontentamento.

Casa do Eletricista PISCINAS

Primeiro, é óbvio que os governos historicamente não deram atenção devida a Porto Mendes. É só visitar alguns locais, como o museu, o atracadouro de barcos e percorrer as ruas e praças do distrito.

Não há investimentos consideráveis em obras novas e nem em manutenção, tanto que as obras feitas pelo atual prefeito Marcio Rauber eram solicitadas há muitos anos.

 

Histórico

Todavia, o que mais pesa em Porto Mendes é a análise da expectativa criada e a realidade vivida.

Em 1979, no calor das discussões sobre as desapropriações em Porto Mendes, no Clube Sempre Verde um encontro reuniu centenas de pessoas do distrito para ouvir o então prefeito Verno Scherer e o então deputado estadual Werner Wanderer.

Naquela noite, talvez mais com o intuito de convencer aquela gente para manter-se firme e com esperança de dias melhores, vendeu-se a ideia que o distrito de Porto Mendes seria um dos melhores lugares para se viver.

 

Turismo e pesca

Werner Wanderer, que havia tratado com os generais que comandavam a construção de Itaipu, cujo lago seria preenchido em 1982, o que os moradores da época ouviam incrédulos, disse que Porto Mendes seria um ponto turístico que iria receber gente de todo o Brasil e do mundo para passar férias ali.

Que o Lago de Itaipu teria capacidade para abastecer o Brasil de peixes de água doce e que pescadores de várias regiões do Brasil viriam a Porto Mendes pescar e se divertir.

Para convencer os desanimados moradores daquela época esse era o discurso.

E por muitos anos os moradores de Porto Mendes, de geração em geração, acreditaram no progresso prometido por políticos que se sucederam. E nada em especial aconteceu.

 

Turismo

Muitas pessoas que residem em Porto Mendes não veem no turismo uma alternativa para suas famílias. O turismo não gerou em Porto Mendes o desenvolvimento que se esperava e nem contribui com o comércio local da forma que os comerciantes imaginam que deveria ser, embora nisso eles próprios também têm parcela de culpa. Muita gente em Porto Mendes não aproveita o parque de lazer. Pelo contrário, muitas vezes os moradores só ficam com o incômodo dos eventos que reúnem muita gente, geram barulho e lixo.

 

Discussão propositiva

É provável que seja necessário iniciar uma nova discussão sobre Porto Mendes. Primeiro, ser mais realista e mostrar para as pessoas que nunca vai acontecer em Porto Mendes o que foi prometido há 40 anos.

Segundo, compreender que o turismo proposto é para os turistas e não necessariamente para os moradores locais, que podem aproveitar a oportunidade para ganhar dinheiro com o turismo.

Terceiro, ao invés de brigar sobre para qual município pertencer, discutir projetos de desenvolvimento que vêm ao encontro do potencial que o distrito tem.

E, finalmente, elaborar um programa para atrair obras e serviços públicos de boa qualidade que possam atrair o turismo saudável e com eventos voltados para o turista e também para a população local.

Não há milagre a ser feito, qualquer que seja o município, o dinheiro gerado pelos royalties não será integralmente investido em Porto Mendes.

 

O autor é jornalista e diretor do Jornal O Presente e da Editora Amigos da Natureza

arno@opresente.com.br

TOPO